Sicoob São Miguel apresenta números de Lajeado

Opinião

Thiago Maurique

Thiago Maurique

Jornalista

Coluna publicada no caderno Negócios em Pauta.

Sicoob São Miguel apresenta números de Lajeado

Por

Vale do Taquari
Gustavo Adolfo 2 - Lateral vertical - Final vertical

O Hotel Vallér sediou na quarta-feira, 24, a assembleia de associados da agência de Lajeado do Sicoob São Miguel. Diretor operacional, Jaimir José Balbinot apresentou os números da unidade, primeira da cooperativa em terras gaúchas – hoje já são 13.

As operações de crédito até outubro somaram mais de R$ 18 milhões, enquanto os depósitos totalizara R$ 8,8 milhões. Ao todo, os 818 sócios somam uma cota capital de R$ 188 mil. Conforme Balbinot, os resultados surpreenderam positivamente, em especial pela adesão de associados em apenas três anos. Para ele, o DNA cooperativista da região explica em parte o sucesso das operações.

No evento, os associados Marcos Vinícius da Silva e Imael Merlo foram aclamados os delegados que representarão a agência de Lajeado nas assembleias da cooperativa. Com atuação nos três estados do Sul do país, o Sicoob São Miguel soma 96 mil associados, R$ 1,8 bilhão em operações de crédito e R$ 83 milhões em cota capital. Neste ano, as sobras totalizaram R$ 54 milhões.


Brava Forma em Gramado

Empresa especializada em estofados com design diferenciados, a Brava Forma fornecerá sofás e poltronas para um dos restaurantes mais exclusivos da Serra Gaúcha. A marca faz parte da decoração do 1835 Carne e Brasa, ambiente gastronômico que funciona no antigo hotel Laje de Pedra, um dos pontos mais tradicionais de Gramado, em projeto em parceria como arquiteto e designer de interiores, Francisco Pinto.

O restaurante resulta da união de forças entre duas das principais marcas da gastronomia gaúcha, o 20Barra9 e Toro Gramado. O nome 1835 faz referência ao ano de início da Revolução Farroupilha e ambientação, com toques de couro e madeira, remete à cultura do RS. O investimento total no espaço gastronômico supera os R$ 7 milhões.


Consumo na Black Friday

Desde a meia noite de hoje, milhares de brasileiros vasculham lojas virtuais e físicas em busca de ofertas da Black Friday, data que já representa 4% das vendas anuais no varejo do país. Considerando expectativa de vendas do comércio em 2021, que deve girar entre R$ 150 bilhões e R$ 160 bilhões, a tradição que importamos dos Estados Unidos deve movimentar R$ 5,5 bilhões.

Os números mostram que a Black Friday não pode mais ser ignorada pelos varejistas. A procura de produtos na internet deixam claro a mudança no comportamento do consumidor com o retorno do convívio social. Entre os dias 7 a 13 de novembro, os produtos associados ao termo que apresentaram maior crescimento de buscas no Google foram tênis, perfume, roupas e fraldas. Fruto do avanço da vacinação que permitiu a retomada das atividades em grupo.

Outro dado importante é a disposição em se endividar para aproveitar as promoções da data. Pesquisa realizada pelo Instituto Locomotiva mostra que 32% dos brasileiros planejam comprar produtos com descontos hoje, mesmo que isso gere dívidas de médio e longo prazo. Uma armadilha para quem não tem disciplina financeira.



• Fruki em SC – Dois anos depois de inaugurar o primeiro centro de distribuição (CD) da marca em Santa Catarina, na cidade de Blumenal, a Fruki inaugura na próxima semana um novo CD no município. A estrutura ampliará em cinco vezes a capacidade de armazenamento e movimentação de produtos, para fazer frente ao crescimento da Fruki no mercado catarinense. Entre janeiro e setembro, as vendas da empresa cresceram 40% em terras catarinenses.

• Maquinas de cartão – As empresas brasileiras de maquinas de cartão listadas na bolsas de valores perderam quase R$ 160 bilhões em valor de mercado, conforme dados compilados pelo “Estadão/Broadcast“. Entre os motivos para a queda estão a alta competição do setor, a elevação da taxa básica de juros e a implementação do Pix. A Stone foi a empresa que mais afetada. As ações da empresa derreteram cerca de 80%.