Tribunal de Justiça anula júri que condenou réus por mortes na Boate Kiss

CASO KISS

Tribunal de Justiça anula júri que condenou réus por mortes na Boate Kiss

Desembargadores acataram pedidos dos advogados de defesa. Sócios da Kiss e integrantes da banda Gurizada Fandangueira serão soltos até a realização de novo julgamento

Por

Atualizado quarta-feira,
03 de Agosto de 2022 às 22:03

Tribunal de Justiça anula júri que condenou réus por mortes na Boate Kiss
Créditos: Divulgação
Porto Alegre
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) decidiu anular, por 2 votos a 1, o júri dos quatro réus do processo da Boate Kiss, ocorrido em dezembro e que resultou na condenação de todos eles.

Em sessão nesta quarta-feira, 3, os desembargadores da 1ª Câmara Criminal acataram “nulidades” alegadas pelas defesas. Os advogados citam “excessos”, “arbitrariedades” e “violação de direitos” que teriam sido cometidos. Um novo julgamento deverá ser marcado.

Juiz condena os quatro réus

“Nada do que for feito vai trazer minha filha de volta”

Desta forma, Marcelo Jesus dos Santos e Luciano Bonilha Leão, músicos da banda Gurizada Fandangueira, foram soltos ainda no começo da noite. Eles estavam presos no Presídio de São Vicente do Sul.  Sócios da Kiss, Elissandro Callegaro Spohr e Mauro Londero Hoffmann deverão deixar a Penitenciária Estadual de Canoas nas próximas horas.

No julgamento de dezembro, Elissandro  Spohr, conhecido como Kiko, teve a maior pena aplicada: de 22 anos e 6 meses. Hofmann recebeu  19 anos e 6 meses. Os músicos, 18 anos de reclusão, cada.

O Ministério Público pretende recorrer da decisão. Os caminhos são  embargos de declaração ao Tribunal de Justiça, recurso especial ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e, em último caso, o recurso extraordinário ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Com informações de GZH.


Acompanhe nossas redes sociais: WhatsApp Instagram / Facebook