“Prêmios são estímulos para caprichar cada vez mais”

ABRE ASPAS

“Prêmios são estímulos para caprichar cada vez mais”

Giovane Dalbosco, 38, transformou seu hobby na criação de ovelhas em uma oportunidade de negócios. Morador de Boqueirão do Leão, em novembro de 2021 registrou uma cabanha especializada na raça Texel. Hoje, vende filhotes com preço inicial que varia de R$ 1,8 mil a R$ 2 mil. Com seu carneiro principal, conquistou o prêmio de grande campeão no fim de semana durante a Agrovinos, em Bagé.

Por

“Prêmios são estímulos para caprichar cada vez mais”
arquivo pessoal
Boqueirão do Leão
Gustavo Adolfo 2 - Lateral vertical - Final vertical

Como surgiu a ideia de abrir uma cabanha?

Há mais de 20 anos já crio ovelhas. Até então era apenas um hobby, atividade paralela ao meu trabalho na área de madeira. Desde 2020 isso mudou e passei a dedicar mais tempo aos animais. Comprei fêmeas da raça Texel. Em um primeiro momento a ideia era um rebanho comercial, para venda de carne e pelego.

Após acompanhar a Expointer e outras feiras pelo estado fui aconselhado a registrar uma cabanha para a venda de filhotes. Aproveitei os animais que já tinha e reformulei a criação. O empreendimento foi registrado em novembro de 2021. No ano passado comprei um carneiro que depois foi o grande campeão da Expointer, antes mesmo de vir para a propriedade.

Quais foram os maiores desafios no início da atividade?

Eu não tinha conhecimento técnico na área. Os veterinários aqui na região também não eram especializados nesse segmento. Depois surgiram muitas dúvidas de como registrar uma cabanha. Mas consegui evoluir e superar esses momentos com a ajuda de criadores mais experientes. Apesar de haver a competição por melhor qualidade do rebanho sempre buscamos auxiliar e trocar ideias.

O que representa a participação em concurso e quais as raças que melhor se adaptaram?

Optei pelas raças Texel e Texel NC. Elas têm uma apresentação imponente e há um mercado muito aquecido pelos filhotes. Já a participação nas feiras é uma forma de apresentar o trabalho e ser reconhecido pela dedicação. Além disso, levo o nome do município para diferentes regiões do estado. No ano passado participei da Expointer, Expoagro e outras especializadas em ovinos.

Já no início deste ano tive a grata surpresa de ter o carneiro como grande campeão em Bagé. Pretendo também levar a criação para a 3ª Exposição Sul Brasileira, em Lages/SC. Esses prêmios em pouco tempo de cabanha enchem de orgulho, pois participo de competições com grandes nomes que têm décadas de experiência na área.

Qual é o sentimento em tornar um hobby na principal atividade e o que projeta para o futuro da cabanha?

O sentimento é de gratidão. Ao mesmo tempo em que os prêmios são estímulos para caprichar cada vez mais e se tornar uma referência no setor. Para o futuro da cabanha, quero ampliar o número de matrizes e por isso no momento vendo apenas machos. Ao olhar a propriedade como um negócio, a venda de filhotes é a principal fonte de renda. Em média, um carneiro é vendido por R$ 1,8 mil. Já o cordeiro custa a partir de R$ 2 mil.

Acompanhe
nossas
redes sociais