Westfália busca reconhecimento como cidade dos biscoitos

DOSSLAND

Westfália busca reconhecimento como cidade dos biscoitos

Iniciativa do governo valoriza tradição familiar e abre oportunidades para fortalecer a economia local. Envolvimento com a comunidade também desperta vocação ao turismo

Por

Atualizado sábado,
21 de Janeiro de 2023 às 08:42

Westfália busca reconhecimento como cidade dos biscoitos
Produção dos doces de Natal faz parte da história do casal Gleci e Rudi Wiethölter. Crédito: Felipe Neitzke
Westfália
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

Ser identificada como a terra do biscoito (Dossland) é o objetivo de projeto em Westfália. O município com pouco mais de 3 mil habitantes tem na agricultura e na indústria da transformação as principais matrizes econômicas. Ao mesmo tempo, apostam em outras áreas para garantir o desenvolvimento.

Uma das ações é aproveitar o potencial turístico e oferecer diferentes experiências aos visitantes. A iniciativa também resgata e preserva a tradição familiar na produção de biscoitos. A partir disso, com a denominação de “Dossland”, valoriza uma das características da cidade que é o dialeto “sapato de pau”.

Quatro empresas participam do projeto para consolidar Westfália como terra do biscoito. Setor emprega mais de 100 profissionais . Crédito: Divulgação

Para consolidar Westfália como a terra do biscoito, o governo propõe atividades com a população e tem a parceria de pelo menos quatro empresas do setor: Biscoitos Klain, Konrad Alimentos, Padaria Paissandu e Padaria Rejane. Por meio de qualificação, o propósito é atribuir selos aos produtos identificados com o projeto.

Como forma de disseminar a história e a relação da cidade na fabricação de biscoito, o assunto chegou às salas de aula. Estudantes participaram de oficinas e conhecem mais da tradição de colorir as bolachas. Esse trabalho será mantido durante o ano letivo para incentivar as novas gerações.
No aspecto econômico, a administração municipal prepara a “Vila do Biscoito”. O local terá estruturas para venda e demonstração das etapas de produção. Em paralelo, investidores apostam em opções de lazer para integrar a estratégia do Vale do Taquari voltada ao turismo.

Investimento em turismo

De acordo com o prefeito Joacir Docena, o município precisa avançar na diversidade econômica. “Nossos investimentos seguem priorizados no setor primário, mas, ao mesmo tempo, temos de aproveitar as oportunidades e fazer a diferença para não ficarmos esquecidos.”

Segundo ele, o município apresenta localização estratégica e facilidade de acesso tanto para Serra, quanto à capital e outras regiões do estado. “Milhares de pessoas passam por dia na Rota do Sol. De alguma forma precisamos apresentar nossa imagem e a Dossland é uma dessas possibilidades.”

Docena enfatiza ainda a preocupação com a cultura local. O município colonizado por famílias, na maioria, descendentes de germânicos mantém

Prefeito Joacir Docena reforça potencial econômico e turístico com a nova identidade ao município. Crédito: Felipe Neitzke

conexão forte com a língua alemã. “Por isso também de dar essa denominação de terra dos biscoitos no dialeto do sapato de pau.”

Conforme o coordenador de esporte e turismo e presidente do Conselho de Turismo, Lucas Schwarz, esse trabalho de denominação foi desenvolvido a partir do plano municipal. “Houve esse entendimento pelas características locais e o selo será uma forma de atrair visitantes. Estes, por sua vez, terão a oportunidade também de conhecer nossos demais potenciais, seja no aspecto cultural, quanto às belezas naturais e áreas de lazer.”

Tradição ensinada às novas gerações

Tornar a temática do Dossland presente no cotidiano da comunidade fez com que o projeto avançasse para o ambiente escolar. Alunos participam do processo de fabricação dos biscoitos. De acordo com a orientadora social Claudete Beckenbach, com o passar dos anos muitas famílias deixaram de repassar a tradição de fazer as próprias bolachas.

“As crianças colocaram a mão na massa. Ajudaram a moldar e decorar as bolachas. Foi também momento de contar como era o Natal em outras épocas”, destaca Claudete sobre a atividade desenvolvida no fim de 2022. Os trabalhos também envolvem grupos da Assistência Social e Voluntárias Amigas. Elas têm entre os propósitos compartilhar receitas e criar um caderno para formalizar diferentes modos de preparo. Esse trabalho ainda contribui para melhorar a memória e coordenação motora das participantes.

Tradição dos biscoitos é passada para os alunos da rede municipal. Crédito: Divulgação

Receitas da vovó

Os biscoitos de Natal fazem parte da história de muitas famílias de Westfália e na região. Um saber e uma tradição que perpetuam por gerações. Não foi diferente na casa de Gleci Wiethölter, 66. Ela preserva a receita que aprendeu com sua mãe.

“No passado os biscoitos eram feitos em especial para o Natal, Páscoa e quando havia baile de kerb. Não se tinha acesso a doces como é hoje, por isso se tornou um momento muito especial e marcou tanto nossa infância”, conta a aposentada.

Gleci lembra que ajudava a mãe a colorir as bolachas. “Elas eram guardadas em uma lata para conservar por mais tempo. Também era item de presente quando se recebia visitas.” Mesmo que muitas famílias tenham deixado de lado a tradição, diz que até hoje mantém o hábito de fazer bolachas e tem a ajuda do esposo Rudi Wiethölter, 81. Para a empresária e dona de padaria, Rejane Beineke, os doces além de tradição viraram alternativa de negócio. “Hoje em dia se faz biscoito o ano todo. Tenho uma produção bastante artesanal, mas um item que agrega valor aos demais produtos.”

“Reconhecimento precisa ser natural”

A articulação regional consolida o Vale como importante destino turístico do estado. Por meio de atividades técnicas e qualificação o setor evolui como matriz econômica. A profissionalização também faz os municípios identificarem seus maiores potenciais.

De acordo com o vice-presidente da Associação dos Municípios de Turismo da Região dos Vales (Amturvales), Charles Rossner, é preciso ter alguns cuidados ao atribuir uma identidade. “É fundamental criar essa sinalização do que o visitante vai encontrar na cidade. Contudo, não adianta atribuir um símbolo e o turista não encontrar esse item.”

Rossner alerta também para o processo ser natural. “A comunidade precisa reconhecer o município por aquela característica. O setor público é importante em fazer o registro, mas o essencial é as pessoas daquele local se identificarem.”

Indústrias de biscoitos

Quatro empresas participam da organização estratégica para o selo de Dossland. O setor emprega mais de 100 pessoas em Westfália e faz os doces chegarem a outros estados. Os biscoitos também são vendidos por meio do e-commerce e indústrias se preparam para ampliar capacidade de produção. As empresas locais ainda prestam serviços para outras marcas.

Acompanhe
nossas
redes sociais