Arte e tradição na ponta do pé

CADERNO VOCÊ

Arte e tradição na ponta do pé

O Parque da Oktoberfest, em Santa Cruz do Sul, recebe neste fim de semana o Encontro de Artes e Tradição Gaúcha (Enart). Entre os mais de 4 mil competidores, está o grupo de 35 tradicionalistas do Grupo de Artes Nativas (GAN) Anita Garibaldi, de Encantado

Por

Arte e tradição na ponta do pé
GAN Anita Garibaldi representa a 24ª Região Tradicionalista no festival. Crédito: Divulgação
Vale do Taquari
Gustavo Adolfo 2 - Lateral vertical - Final vertical

Um desfile de prendas e peões pelas ruas de Santa Cruz do Sul marca o Encontro de Artes e Tradição Gaúcha (Enart) 2022. O evento, que reúne mais de 4 mil músicos, declamadores e dançarinos, iniciou na sexta-feira, e segue com programação até domingo no Parque da Oktoberfest. A caravana será apresentada ao público neste sábado, às 10h30, com passagem pelas ruas Marechal Floriano e a Praça da Bandeira.

Representante do Vale do Taquari, o Grupo de Artes Nativas (GAN) do CTG Anita Garibaldi, de Encantado, é o único da 24ª Região Tradicionalista (RT) a participar do Enart deste ano. Esta também é a primeira vez que a invernada artística da entidade compete no festival.
Coordenadora da invernada adulta, Vanessa Agostini Gianezini conta que o grupo foi montado há um ano, já com o objetivo de se dedicar à competição. Os ensaios eram intensos e os 28 dançarinos do CTG chegaram a praticar 15 horas por dia.

Vanessa explica que o Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG) divide o Rio Grande do Sul em três inter-regionais para sediar a etapa classificatória do Enart, com a final em Santa Cruz do Sul. O regulamento é lançado com todas as orientações e regras daquela edição. “É tudo muito regrado”, destaca a coordenadora.

Primeira vez na competição

Durante o Enart, a afinidade entre os dançarinos é uma das principais características avaliadas. “Toda vez que dançamos, fazemos isso em grupo, somos avaliados como grupo, erramos como grupo, e acertamos como grupo”, reitera a prenda Gabriella Rocha Martins.

Incentivada por uma amiga de infância, Gabriella dança no GAN Anita Garibaldi desde os seis anos, quando entrou para o grupo pré-mirim. Depois de assistir as apresentações do Enart muitas vezes, chegou a hora de participar do evento como dançarina.

No período de preparação para o festival, a prenda conta que as refeições eram feitas no galpão do CTG, e o apoio da família e amigos foi fundamental. “O Anita se tornou quase a nossa primeira casa. E é tão bom, que quando não tínhamos ensaio ficávamos todos meio perdidos, e então o grupo combinava de se encontrar por fora, na casa de alguém”, destaca.

Cultura nas coreografias

A montagem das coreografias apresentadas no Enart foi feita com a orientação de Daniel Dal Molin. O CTG Anita Garibaldi foi fundado em fevereiro de 1994. Naquele mesmo ano, Dal Molin já se tornou instrutor, primeiro de danças italianas e depois gaúchas. “Eu participo do tradicionalismo desde 85, quando minha tia me levou a um CTG e eu aprendi a gostar”, lembra. Desde então, ele também já foi avaliador do Enart e chegou a dançar em festivais internacionais.

Conforme Dal Molin, neste ano, o grupo leva para o Enart a histórias dos bailes de carnaval de Veneza, que influenciaram o baile de máscaras no Brasil. As danças foram criadas em conjunto com professores de Campo Bom e Porto Alegre.
Além da apresentação, o grupo também se prepara para as danças tradicionais. “Essa são por sorteio. São 19 danças para todos os grupos e, 20 minutos antes de dançar, é feito o sorteio”, explica o instrutor.

O Anita Garibaldi também concorre nas modalidades individuais, com apresentações de trova, gaita de boca, violão e intérprete vocal. Entre os 35 participantes do grupo, está Vinícius Agostini Gianezini, 18.

Voz, dança e violão

A história de Gianezini com o tradicionalismo vem de família. A irmã já participava do GAN Anita Garibaldi quando decidiu assistir alguns ensaios. Com o apoio dos pais, gostou da prática e passou a integrar a invernada.

Depois de treinar a gaita e participar de outras atividades nas categorias mirim e juvenil, hoje, na categoria adulta, é intérprete solista vocal e toca violão. Esta é a primeira vez que o grupo participa do Enart, mas já viajaram fazendo apresentações.

“Já fomos para o Chile em algumas viagens, participamos do Juvenart, que é uma categoria inferior ao Enart. Em 2019, conseguimos nosso objetivo na competição, que era passar para as finais”, conta Gianezini.

Neste fim de semana, além de solista intérprete vocal masculino, ele toca violão e participa das apresentações de dança, outra atividade que pratica desde criança. Segundo o peão, apesar de novos no concurso, as expectativas são boas.

“Estamos com o grupo bem unido, mas com os pés no chão, sabendo o que a gente fez, que ensaiamos muitas horas. Era bem puxado, mas a gente sabe que valeu muito a pena”, destaca.

O Enart

Conhecido também como Festival dos Festivais, o Enart é um evento tradicional do estado, que tem como objetivo projetar a cultura popular do Rio Grande do Sul, com maior visibilidade e representação. O festival também busca preservar a arte, cultura e tradições.
O evento conta com apresentações de gaita de boca, viola, bandoneon e outras modalidades artísticas sul-rio-grandenses. Além disso, há danças de chula, trova, apresentações de tropeiros, rodeio, e outras atrações apresentadas aos visitantes.

Sobre o festival

– Conforme o Movimento Tradicionalista Gaúcho, serão 4 mil competidores disputando os primeiros lugares até domingo (20);
– O ingresso custa R$ 40, mas quem trouxer um brinquedo paga meia entrada;
– O estacionamento custa R$ 50.

Destaques da programação

Sábado, dia 19
11h15 – Abertura Artística do Campeão do Fegadan 2022 – CTG Barbicacho Colorado/Lages – SC;
12h, 16h30, 20h50 – Eliminatória de Danças Tradicionais das forças A e B
12h30 – Eliminatória Intérprete Solista Vocal Feminino
12h30 – Eliminatória Danças Gaúchas de Salão, no Palco G
12h30 – Eliminatória Declamação Feminina, no Palco H
13h – Eliminatória Intérprete Solista Vocal Masculino no Palco C
13h – Eliminatória Declamação Masculina, no Palco I
13h – XXX Tchêncontro Estadual da Juventude Gaúcha, no Pavilhão 3
13h30 – Eliminatória Chula, no Palco J
14h – Eliminatória Trovas, no Palco E
14h – Final Bandoneon, Gaita de Boca, Gaita Cromática, Gaita Piano e Gaita Botão, no palco F
19h – Pajada e na sequência o Causo, no Palco E

Domingo, dia 20
08h20 – Final Danças Tradicionais – Força A e B
8h30 – Final Intérprete Solista Vocal Feminino, no Palco D
09h – Final Intérprete Solista Vocal Masculino, no Palco C
9h – Final Trovas, no Palco E
9h – Final Danças Gaúchas de Salão, no palco G
9h30 – Final Violão, Viola, Violino ou Rabeca e Conj. Instrumental, no Palco F
19h – Dança da Integração
9h – Final Intérprete Solista Vocal Masculino
9h – Final Declamação Feminina, no Palco H
9h – Semi Final da Chula , no Palco J
12h30 – Final Declamação Masculina, no Palco H
14h – Finalíssima da Chula, no Palco J
15h – Dança Gaúcha de Salão para Pessoas com Deficiência Intelectual ou Múltipla, no Palco G
19h30 – Solenidade de Encerramento do ENART 2022

Acompanhe
nossas
redes sociais