Grupo A Hora e MP assinam termo de cooperação ambiental

Viver Cidades

Grupo A Hora e MP assinam termo de cooperação ambiental

Convergência de projetos em defesa da natureza visam reforçar preservação, em especial, dos recursos hídricos

Por

Grupo A Hora e MP assinam termo de cooperação ambiental
A partir de diagnósticos será possível traças planos e metas de recuperação. Crédito: Luciane Eschberger Ferreira
Lajeado
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

O Grupo A Hora e o Ministério Público do RS (MP) assinam hoje o termo de cooperação para desenvolver de projetos na área de monitoramento de nascentes e da qualidade da água na Bacia Hidrográfica do Rio Taquari.
A solenidade ocorre às 14h, na sede do MP em Lajeado.

Confirmaram presença o procurador-geral de Justiça, Marcelo Lemos Dornelles, o promotor de Justiça Regional da Bacia Hidrográfica dos Rios Taquari e Antas, Sérgio da Fonseca Diefenbach, e o o diretor de Mercado e Estratégia do Grupo A Hora, Fernando Weiss. A união de esforços pelas questões de relevância ambiental surgiu a partir da convergência de projetos desenvolvidos, até então, de forma independente, pelo MP e Grupo A Hora.

O sistema Água para o Futuro foi idealizado para mapear e identificar nascentes de água. Criado pelo MP do Mato Grosso e disponibilizado à promotoria gaúcha pelo Conselho Nacional do Ministério Público, vai ao encontro da proposta do projeto Viver Cidades.

Lançado no início deste ano, tem como ação principal a coleta e análise de água em 23 pontos de dois rios e 12 arroios da região da bacia Taquari-Antas. O monitoramento ocorre a cada seis meses, a partir de coleta e análise de água feitas pelo Laboratório Unianálises, contratado pela empresa de comunicação.

Os resultados são divulgados nos suplementos bimestrais encartados no jornal, com distribuição expandida para as escolas das redes pública e privada do Vale do Taquari, nos debates na Rádio A Hora 102.9 e no portal do Grupo. O Viver Cidades entrega conteúdo noticioso sobre temas ambientais, promove concurso estudantil e painéis nas instituições de ensino e seminário.

Para Fernando Weiss, a parceria entre o A Hora e Ministério Público Estadual reforça o quanto projeto Viver Cidades é assertivo e vai ao encontro do que a sociedade demanda. “As duas instituições se encontram para liderar uma nova cultura acerca da preservação dos mananciais.” Para ele, a ações a partir do termo de cooperação serão um tambor permanente, podendo convencer e pressionar gestores públicos e privados a ponto de investirem recursos neste tema.

Na opinião de Weiss, a situação envolvendo os rios e arroios precisa mudar. “Ficamos muito felizes quando o MP, uma instituição respeitada e com expertise na área ambiental, se mostra sensível, atento e ao lado desta mobilização. “É um momento histórico em que a instituição Grupo A Hora e MP se unem para liderar um trabalho que pode servir de modelo, de inspiração, para outras regiões que fatalmente precisam desenvolver novas soluções a respeito de preservação do nosso ecossistema.”

Informações compartilhadas

A partir da assinatura do termo de cooperação, o MP disponibilizará ao Grupo A Hora o acesso ao Sistema Água para o Futuro. O aplicativo permite registrar as nascentes de água e, por meio de avaliação técnica, apontar se estão preservadas ou não, além de definir ações de manutenção ou de recuperação das nascentes que apresentam irregularidades ambientais.

O Grupo A Hora compartilhará com o MP os laudos das análises de todas as amostras de água e os comparativos a cada semestre. Também fornecerá apontamentos gerais das saídas de campo, a fim de, se for necessário, fazer uma verificação de situações e a adoção de providências para regularizar aquelas que impactam o meio ambiente.

Interesse comunitário

Para o promotor Diefenbach, o termo de cooperação, assinado hoje, tem significância por várias razões. Uma delas, porque permite a aproximação entre uma empresa de comunicação privada e uma instituição pública, o Ministério Público, que precisa de informações fidedignas para desenvolver suas políticas de ação.

Na medida em que o MP tem acesso a dados e levantamentos feitos pelo Grupo A Hora, destaca Diefenbach, o Ministério Publico qualifica o seu trabalho. “Da mesma forma que o grupo de comunicação passa a expandir seus recursos, como o aplicativo de identificação de nascentes, que é uma das estratégias de ação do MP, nós tornamos o interesse público também um interesse comunitário.”

Informações compartilhadas darão impulso às ações de preservação. Crédito: Júlia Amaral

O evento de sexta-feira tornará pública e oficial esta aproximação. “Servirá, também, para chamar a atenção de toda a comunidade sobre a importância de avaliarmos os nossos recursos hídricos.”

Saúde

O MPRS oficializa, hoje, o repasse de R$ 1,6 milhão ao Hospital Bruno Born. Os recursos são provenientes de acordos de não persecução penal, feitos pelo Ministério Público por meio da Promotoria Especializada Criminal. Referem-se a alguns delitos de porte econômico que aconteceram no Vale do Taquari.

Entre várias cláusulas do acordo está a doação de R$ 1,6 milhão ao HBB, além de outros valores para hospitais da região. Os recursos já estão sendo depositados, e o hospital está fazendo aplicando na reforma e na padronização do aspecto físico dos quartos.

“Para nós, é um momento muito importante, porque ele consegue demonstrar a possibilidade legal de transformarmos o resultado de alguns crimes ou desvios e ilegalidades em benefício da própria comunidade”, destaca Diefenbach. “Este, talvez, seja o fim mais nobre que se consiga dentro do direito penal, por entendermos que este acordo é de muita significância para comunidade.”


Acompanhe nossas redes sociais: WhatsApp Instagram / Facebook