Desafio logístico

Editorial

Desafio logístico

Desafio logístico
Vale do Taquari
Tudo na Hora - Lateral vertical - Final vertical

É promissora a iniciativa do governo de Estrela para a criação da Empresa Pública de Logística. Faz décadas que organizações, empresários e líderes regionais buscam formas de acabar com a ociosidade do porto e traçam estratégias para o melhor aproveitamento de todo o potencial da antiga estrutura.

Protocolado nesta semana na câmara de vereadores, o projeto para criação do órgão vai além. Estabelece como função social o desenvolvimento de soluções para aproveitar não só o porto fluvial, mas do aeródromo e da malha ferroviária de propriedade ou sob concessão do município.

Fica clara a preocupação do Executivo em dar celeridade aos trâmites para reativar o complexo portuário. Um passo importante já havia sido dado no fim de maio, quando o município concedeu à iniciativa privada o direito de exploração dos silos. Enquanto um novo formato de parceria público-privada é projetado, a empresa Nutritec faz uso dos armazéns após a saída da Cesa-RS.

Vale lembrar a localização estratégica do porto, junto à BR-386, à Ferrovia do Trigo e ao Aeródromo de Estrela. A possibilidade de criar um grande polo logístico é real e pode ser um dos grandes negócios a serem explorados no Vale nos próximos anos, com atração de investimentos e mais agilidade para o escoamento da produção regional.

O desafio não é simples, mas a região reúne todas as condições para isso. Se hoje é considerado o porto mais ocioso do país, o complexo estrelense tem potencial de virar referência estadual e, por que não, se transformar em um polo logístico de todo o Mercosul.

É necessário unir todos os atores importantes que atuam para o desenvolvimento do Vale em torno de um mesmo plano. E o primeiro passo é estabelecer aonde se quer chegar. Depois, elaborar os projetos de viabilidade técnica, econômica e ambiental. É claro que o trajeto é longo, mas o quanto antes for iniciado, melhor.

A empresa pública a ser criada em Estrela pode ser o órgão articulador para a reativação dos modais de forma ágil e integrada, para enfim tirar um ousado plano do papel.