Com cogestão permitida, Vale adota regras da bandeira vermelha

Distanciamento Controlado

Com cogestão permitida, Vale adota regras da bandeira vermelha

Mesmo com a pior classificação no modelo do Distanciamento Controlado, região não terá o fechamento do comércio. Horário de suspensão geral das atividades é ampliado, das 20h às 5h

Por

Com cogestão permitida, Vale adota regras da bandeira vermelha
Em coletiva na tarde ontem, governador anunciou que fiscalização será mais rígida no controle de aglomerações. Foto: Divulgação

Pela primeira vez, o Vale do Taquari fechará uma semana com a pior classificação no modelo de Distanciamento Controlado. O mapa definitivo da 42ª rodada foi divulgado ontem à tarde. Contudo, com a manutenção da cogestão, os municípios poderão adotar regras da bandeira anterior – ou seja, a vermelha – para a maioria das atividades, exceto na educação.

A opção do gabinete de crise por manter o sistema de cogestão levou em consideração os pedidos das associações regionais, que foram quase unânimes na defesa do modelo. Não está descartada, porém, que ele seja suspenso na próxima semana, caso a situação da pandemia continue delicada ou se agrave ainda mais.

Duas mudanças, porém, chamam a atenção. Atividades educacionais que envolvam turmas da educação infantil e do primeiro e segundo anos do ensino fundamental poderão ocorrer de forma presencial nas regiões com bandeira preta. Os demais níveis de ensino permanecem autorizados a funcionar somente de forma remota nesta classificação.

Foi levada em consideração a dificuldade que os pais encontram por não ter com quem deixar os filhos quando saem para trabalhar, além dos problemas da efetiva alfabetização das crianças em aulas virtuais.

O Piratini também determinou que a suspensão geral das atividades, anunciada ainda na última sexta-feira, será antecipada em duas horas. Serviços não essenciais, nem mesmo os supermercados, não poderão funcionar das 20h às 5h. A medida entra em vigor hoje e se estende até 1º de março.

Rigor nas fiscalizações

As alterações serão oficializadas em decretos, cuja publicação ocorreu de ontem (após o fechamento desta edição) até hoje. Um deles incluirá a previsão de plano de fiscalização nos protocolos regionais e municipais.

“Nossas forças de segurança estão orientadas e mobilizadas para que se cumpram os protocolos restritivos. É importante que haja esforço e fiscalização de forma pedagógica e exemplar, mostrando para a sociedade que há a presença do poder público”, afirma o governador Eduardo Leite.

“Engajamento de todos”

Na live de ontem, Leite adotou um tom de preocupação com a situação da pandemia da covid-19, considerada a pior até hoje no estado. A ocupação dos leitos de UTI adulto chegou a 86% no território gaúcho. “É o maior nível que já atingimos, mesmo que tenhamos ampliado tão fortemente nossas estruturas”, salienta.

Leite também ressaltou que as variantes do coronavírus estão mudando o perfil dos pacientes que necessitam de internação hospitalar. “São pessoas sem comorbidades e até fora da faixa de risco. Estão levando as pessoas a internações mais longas do que antes”, alerta, apelando para que a população faça sua parte, evitando aglomerações e respeitando as regras. “Precisamos do engajamento de todos. Estamos fazendo tudo o que é do nosso alcance”.

Conscientização

Para o presidente da Amvat e prefeito de Santa Clara do Sul, Paulo Kohlrausch, o problema não está nas atividades econômicas e, sim, nas aglomerações e nas festas clandestinas. Por isso, pede conscientização da população e maior regramento e fiscalização.

“É fundamental que as pessoas se conscientizem e mantenham os protocolos de segurança, como o distanciamento social, o uso de máscara e os demais cuidados de prevenção. Ao mesmo tempo, é necessário que a fiscalização seja intensificada nos municípios”, afirma Kohlrausch, que defendeu a manutenção da cogestão.