opinião

Caetano Pretto

Caetano Pretto

Jornalista

Colunista esportivo.

Gauchão no Estádio Alviazul

Por

Lajeado

O Lajeadense é o grande vencedor nesta volta do Gauchão. Mesmo que na Divisão de Acesso e sem previsão de retorno, o time de Lajeado está em pauta faz mais de uma semana. Com quatro partidas jogadas no Estádio Alviazul, sobram elogios à estrutura do clube.

Desde membros das equipes até o presidente da Federação Gaúcha de Futebol e a imprensa da capital, todos ficaram encantados. Sobram elogios também à torcida, principalmente à Fiel Alviazul, responsável por realizar reformas no estádio.

O empréstimo do campo também estreita as relações da direção alviazul com a FGF, o que é sempre bom. De resto, fica apenas a saudade de ver o Lajeadense em campo.

Foto: Caco Marin/Divulgação


Saída conturbada

De início extremamente promissor no Grêmio, Arthur deixa o Barcelona como uma incógnita. O clube o envolveu em uma troca pelo bósnio Pjanic, com a Juventus. Em pouco mais de duas temporadas pelo Barça, Arthur nunca conseguiu entregar o que dele se espera.

Fez bons jogos, claro, mas deixou a desejar em muitos. Foi criticado por não conseguir aguentar o ritmo e a exigência dos jogos do Barcelona. Dificilmente atuou 90 minutos nas partidas. Aos 23 anos, ainda é muito jovem. Tem muito potencial. Mas precisa mostrar em campo, e fora dele. O extra campo foi outro ponto criticado por torcedores e mídia catalã. Ambos cobraram dele mais profissionalismo.

Nas últimas rodadas do Campeonato Espanhol, já contratado pela Juventus, mostrou desinteresse e sequer entrou em campo pelo Barcelona. Agora, com a Champions League ainda a jogar, pediu para não ser relacionado. Na segunda-feira anunciou que queria antecipar a sua saída da Espanha. Que se pese a falta de rumo do Barcelona nas últimas temporadas, Arthur chegou com uma alta expectativa mas não correspondeu. Que na Juventus seja diferente. Pois potencial ele tem.


Adeus, Rodrigo

Um colega de profissão nos deixou na terca-feira. Rodrigo Rodrigues, apresentador do Sportv e que passou por outros canais, entre eles a ESPN, morreu aos 45 anos. Foi mais uma vítima da covid-19. Um dos mais de 90 mil brasileiros que nos deixaram. Conhecido pelo seu bom humor e irreverência, cativava colegas e telespectadores. Uma perda enorme para o jornalismo esportivo do Brasil. Rodrigo Rodrigues fará falta.