opinião

Raquel Winter

Raquel Winter

Professora e consultora executiva

E eu também falei de flores

Por

Gosto muito de plantas e flores. Mas o fato de eu gostar não me faz uma conhecedora das espécies e dos cuidados necessários que cada uma delas requer. Antes de me interessar pelas plantas, imaginava que para tê-las bastaria regá-las e deixá-las em local iluminado. Mas na prática não foi bem assim.
Tudo começou no dia que fui presenteada com uma orquídea. A amiga que me deu a planta é muito querida para mim e desejei cuidar do presente. Algumas dicas foram dadas logo na arrancada, entre elas: dê pouca água e não deixe ao sol.
Depois disso, passei a pedir e comprar mudas de folhagens e flores de várias espécies. Chega a ser engraçado, porque pareço minha avó que, quando sai da casa de alguém, sai com uma mudinha à tiracolo.
No entanto, logo observei que algumas, por mais verdes e lindas que fossem, ao menor descuido ficavam fragilizadas. Resolvi ler e aprender um pouco mais sobre adubação e cuidados com as diferentes espécies. Durante esse aprendizado, soube então que há plantas perenes e outras não.
As perenes, em geral, não são tão sedutoras à primeira vista, mas, sem dúvida, por serem mais resistentes, são aquelas que mantêm o jardim constante, preparado para receber a exuberância das flores que, ainda que efêmeras, causam um impacto encantador e colorido.
Antes de entender isso, eu costumava sentir tristeza sempre que as flores murchavam ou secavam. Custava-me aceitar que aquela beleza partira do meu jardim. Pois bem, como em tudo, sempre há o que aprender.
Aprendi que eu realmente precisava conhecer a intimidade de cada flor para que pudesse cuidar adequadamente e usufruir da beleza e do perfume quando estava em tempo de florescer. Depois seria tarde demais.
Também aprendi que as flores são doadoras de energia e que se murcharem ou secarem de um dia para o outro é porque alguém que acessou o campo energético delas estava carente da energia sutil que elas generosamente produzem para ofertar.
Por fim, concluí que mais uma vez podemos observar e absorver os ensinamentos da natureza para aprimorar e harmonizar as relações humanas. Alguns seres estão em nossas vidas em uma missão perene e outros em uma aparição efêmera. De qualquer forma, não é a duração, mas o papel que cada pessoa tem em nossas vidas que determina o legado que deixará em nosso jardim.
No meu, tenho plantas e flores de ambas espécies. Algumas atendem pelo nome de Bibiana, Mariana, Andréia ou Fabiana. Outras são Vanessa, Raíssa, Clari, Lara e Bruna. São tantas as flores do meu jardim que não posso citar todas. Tem inclusive a Rose que, como a rosa, floresce desde sempre em todas as minhas estações. Bem e assim eu também, e não só Vandré, falei das flores que, sempre românticas, nos ensinam uma nova lição.