Estudo define mais de 100 ações para adequação  ao marco do saneamento

TEUTÔNIA

Estudo define mais de 100 ações para adequação ao marco do saneamento

Após a fase de estudo e diagnóstico, governo e empresa responsável pelo estudo apresentaram o planejamento estratégico para investimento a curto, médio e longo prazo. Última etapa contempla todos os programas, metas e ações do plano

Por

Estudo define mais de 100 ações para adequação  ao marco do saneamento
Crédito: Jhon Willian Tedeschi/ Arquivo
Teutônia
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

A apresentação dos dados da revisão do Plano Municipal de Saneamento Básico revelou o planejamento do município para os próximos 20 anos. O estudo estima que serão necessários quase R$ 220 milhões para implementar as ações, divididas em 19 programas. São previstas 104 ações, de curto, médio e longo prazo.

As metas visam o equilíbrio do saneamento básico em Teutônia, dentro de um cenário considerado possível, “onde se faz com o recurso que há disponível no município, dentro do planejamento financeiro”, nas palavras da diretora da Lógica Assessoria Ambiental, Simone Schneider. “Aquilo que nós encontramos como necessidades de melhorias e as oportunidades que foram elencadas no processo fazem parte deste prognóstico.”

Um dado apresentado na análise preliminar aponta o aumento populacional como aspecto fundamental para estabelecer as metas. A estimativa é que a cidade passe dos 50 mil habitantes até 2043, ao final do prazo definido para o plano – uma curva crescente na área urbana, enquanto a população tende a diminuir na zona rural.

No campo do esgotamento sanitário, considerado o maior desafio do município, um programa vai direcionar todas as ações previstas no plano. Chamado “Esgotamento Integrado”, o projeto prevê, entre outras medidas, o auxílio às famílias carentes para a construção de fossas sépticas – cinco por ano, com custo de R$ 13 mil.

Outro ponto destacado é a fiscalização do lançamento irregular de esgotamento doméstico, que deverá ser implementada pelo município em até três anos. “Nas visitas a campo, encontramos esses pontos de lançamento in natura. Então, existe essa necessidade de correções”, ressaltou Simone. O investimento total no tratamento de esgoto será o maior do plano, com mais de R$ 110 milhões.

Distribuição de água

O abastecimento de água receberá melhorias, com cinco programas definidos. Entre as ações, a regularização dos poços artesianos e limpeza semestral dos reservatórios custará mais de R$ 1 milhão.

Também serão trocados reservatórios em sete localidades, até o segundo ano de vigência do plano. Incentivar a implantação de cisternas para coleta de água da chuva é outra medida apontada, com custo de R$ 80 mil para construção de 20 estruturas.

 


Acompanhe nossas redes sociais: WhatsApp Instagram / Facebook

Acompanhe
nossas
redes sociais