MP media tratativas entre Corsan e moradores do Santo Antônio

Na busca por solução

MP media tratativas entre Corsan e moradores do Santo Antônio

Reunião ontem tratou de instabilidades no serviço de água no bairro em janeiro de 2021. Outros encontros serão realizados para tratar do assunto

Por

MP media tratativas entre Corsan e moradores do Santo Antônio
Conforme a Corsan, desde a instalação de poço artesiano, bairro não tem mais problemas de abastecimento de água (Foto: Divulgação)
Lajeado
Imec - Lateral vertical - Final vertical

O Ministério Público (MP) de Lajeado esteve em reunião, na tarde da quarta-feira,7, com representantes da comunidade do bairro Santo Antônio e da Companhia Rio Grandense de Saneamento (Corsan).

Em fevereiro, mais de cem moradores do bairro processaram a estatal por quedas no abastecimento d’água e supostas cobranças abusivas.

Para o promotor Sérgio Diefenbach, o caso ainda está em fase de compreensão para o MP.
“O objetivo não é fazer nenhuma intervenção nos processos judiciais em andamento . Mas sim verificar o interesse, os problemas da comunidade e a possibilidade de iniciar um diálogo com a Companhia”.

Para o gerente da Corsan no município, Alexsander Pacico, o início do diálogo foi tranquilo. A empresa se comprometeu em mostrar um levantamento do serviço no bairro.

“Nós vamos apresentar para o MP quais foram as residências que tiveram instabilidade no abastecimento da água”, promete Pacico.

Conforme ele, “o problema do bairro Santo Antônio foi 100% resolvido”, e as ações são relativas a um período anterior ao funcionamento do poço artesiano, inaugurado em 22 de janeiro.

Início de diálogo

“Conversamos hoje para evoluirmos”, disse o promotor Sérgio Diefenbach. Nos próximos dias, o MP deve marcar uma nova data para o debate continuar.

O advogado Daniel Fontana é responsável por mais de cem processos contra a companhia. Ele espera novos encontros para ampliar a discussão.

“Foi o início de uma conversa. Foi bem profícuo. A ideia é continuar conversando, a Corsan está disposta. A intenção deles é solucionar todos os problemas e cumprir com a responsabilidade social da empresa”, comenta Fontana.

O abastecimento de água de lares do Santo Antônio foi afetado por diversas questões. Há problemas estruturais nas construções dos condomínios Novo Tempo 1 e 2, o que prejudicou a rede do bairro. Uma máquina da prefeitura também teria estragado uma tubulação.

Alguns moradores relatam falta de água, em janeiro, ao mesmo tempo em que havia aumento nas contas.
O advogado tem a expectativa de que os processos possam resolver os problemas envolvendo o abastecimento de água do local.

“A ideia é transformar essa ação em uma ação coletiva para atender toda demanda da região”, espera Daniel Fontana.

Outra situação que pode ser abordada é a regularização de algumas residências que não teriam uma bomba hidráulica própria.