Diálogo (não) libertador

opinião

Jéssica R. Mallmann

Jéssica R. Mallmann

Jornalista

Colunista do Caderno Você

Diálogo (não) libertador

Por

Atualizado quarta-feira,
24 de Março de 2021 às 15:00

Tudo na Hora 2 - Lateral vertical - Final vertical

De todas as coisas boas que a vida me proporciona, uma delas é ter pessoas sábias e
compreensivas para debater os mais diferentes assuntos. E isso não significa que temos a mesma
opinião sobre tudo.

Esses dias passei horas debatendo sobre política e resoluções para o mundo com um amigo que
tem pensamentos bem mais extremistas que os meus. E sabe o que é bom disso tudo? É que há
respeito entre nós e podemos dialogar tranquilamente, sem a necessidade de levantar o tom de
voz ou nos xingar. Inclusive rimos das nossas divergências.

Confesso que sinto falta desse tipo de conversa no dia a dia. Na verdade, sinto falta de dialogar
com as pessoas. Vivemos tantos extremos que, muitas vezes, fica difícil conseguir compartilhar
uma ideia.

É bem provável que você já tenha escutado que é egoísta ou preconceituoso por não concordar
com a opinião de terceiros. E isso assusta.

Enquanto lutamos tanto por liberdade de expressão, privamos muitos de se expressarem pelo
simples fato de não concordarem com nossos pensamentos. Então, até que ponto essa tal
“liberdade” é realmente libertadora?

Sinceramente, acho que as pessoas estão confundido os termos “respeito” e “liberdade”. Não
posso generalizar, mas hoje há muitas militâncias impondo regras ao invés de pregar a aceitação.
Sou da ideia de que ninguém é obrigado a concordar com você, mas deve respeitá-lo.

A exemplo, esse mesmo amigo com quem converso sobre política não crê em alguma religião. Ao
contrário de mim, que acredita na espiritualidade. Ele também é amante de churrasco, enquanto
eu prefiro ficar só com o arroz. Tem ainda o fato de que torcemos para times opostos e temos
visões bem diferentes sobre a “esperança na humanidade”.

E está tudo certo, afinal, não há nada de errado em sermos diferentes e divergirmos.
Acho lindo o fato de ter ao meu lado pessoas tão diferentes de mim. E é ainda mais bonito saber
que existe o verdadeiro significado de “liberdade” entre nós. Me sinto segura em poder expressar
meus gostos e mais segura ainda em saber que tudo vai ficar bem caso a gente discordar.
Que bom seria se todos pudessem ter um diálogo libertador.

Pode ser que, ao final deste texto, você não concorde comigo. Mas eu o respeito. E está tudo bem.