“A ivermectina é só um pilar a mais de defesa”

Coronavírus

“A ivermectina é só um pilar a mais de defesa”

Médico e professor universitário Luis Fernando Kehl destacou que medicamento que vem sendo utilizado para a covid-19 é forma de “fechar” caminho que leva até a célula

Por

“A ivermectina é só um pilar a mais de defesa”
(Foto: Ana Carolina Becker)
Vale do Taquari
CRON Previne - Lateral vertical - Final vertical

O médico e professor universitário Luis Fernando Kehl participou do programa Frente e Verso, da Rádio A Hora 102.9, na manhã desta quarta-feira, 3, quando falou sobre o uso da ivermectina no tratamento da covid-19. Ele é um dos profissionais de Lajeado que assina documento enviado ao prefeito Marcelo Caumo para uso do medicamento em indústrias para frear o avanço do vírus.

“O papel da ivermectina é travar a porta que se abre para o vírus no núcleo de célula. Se esta partícula viral, que se contaminou, enfrenta a presença farmacológica do medicamento, ela tem o papel de trava”, explica.

Em alguns casos, conforme o profissional, se a carga viral for muito alta, há possibilidade de que essa pessoa adoeça. “Quando instalada a doença deve ser prescrita uma sequência maior de fármacos para sustentar esse processo. Estamos falando da população saudável, que não está comprometida. A barreira farmacológica da ivermectina ajuda para que esse vírus não se propague de forma rápida”, observa.

Quando a doença já está no organismo, Kehl adianta que ela deve ser tratada com o uso de outros medicamentos. Mas alerta que é preciso fazer o cuidado para a dosagem desses remédios que podem intoxicar, caso sejam usados de forma incorreta.

O médico e professor explica que a ivermectina não é contraindicada. “Na pediatria já utilizamos a longa data. Ela tem a capacidade de resolver esse acesso do vírus ao núcleo. Esse é um papel importante que ela tem.”

Ouça a entrevista na íntegra