eleições 2020

“Primeiro passo será reduzir meu salário pela metade”

Paulo Argeu Fernandes (PDT) participou de sabatina ontem na Rádio A Hora 102.9. Candidato defendeu auditoria nos contratos da atual gestão

Por

“Primeiro passo será reduzir meu salário pela metade”
Candidato abriu série de sabatinas com os candidatos ao Executivo estrelense. Foto Fábio Kuhn
Estrela

O candidato Paulo Argeu Fernandes (PDT) concedeu entrevista ao programa Frente e Verso, da Rádio A Hora 102.9, nessa sexta-feira. Ele apresentou seus principais projetos para a cidade nos próximos quatro anos e prometeu reduzir o salário do prefeito, caso eleito.

Fernandes abriu o ciclo de sabatinas com os sete candidatos à prefeitura de Estrela. As entrevistas vão ao ar no programa Frente e Verso, das 8h10 às 10h.

 

A Hora – Quais suas principais características?
Sou Paulo Argeu Fernandes, advogado, casado, tenho três filhos, 61 anos e moro a vida inteira em Estrela. Sou da política, sou militante do PDT há 40 anos, tenho orgulho de pertencer ao mesmo partido. A política me faz feliz. É o meio pelo qual a gente pode ajudar a transformar a vida das pessoas, desenvolver a cidade, fazer com que as coisas aconteçam.

Como o senhor encaminhará o assunto do Porto de Estrela em seu governo?
O governo federal está há anos de costas para a navegação. Ela é de uma importância não só para Estrela e Vale do Taquari, mas para o país. Mas o caso de Estrela é peculiar. Ele navegava somente alguns meses do ano, devido ao calado. E a navegação comercial não quer saber se durante o verão não vai ter. É preciso reunir as forças do Vale do Taquari, empresários de Lajeado, de Estrela, e construir um projeto viável sem esquecer a navegação.

A saúde apareceu como prioridade do eleitor estrelense na pesquisa. Qual sua proposta para a Saúde?
Nossa proposta é ter um secretário técnico. Me dou com o Elmar Schneider, mas ele não sabe fazer um curativo, não é da área. Haja vista que hoje falta remédio, posto de saúde, um corpo clínico especializado. A saúde é o bem maior de qualquer pessoa. Por que a prefeitura não pode montar unidade móvel que vai pro interior, com médico, enfermeiro, dentista? Se as pessoas não podem ir até a saúde, que a saúde vá até as pessoas.

Qual sua proposta para o setor primário?
Esse paradouro que estamos propondo, na BR-386, é para que os agricultores não fiquem na feira do produtor um vendendo para o outro. Temos o potencial de uma BR, onde passam mais de 20 mil veículos por dia.
Nosso secretário não vai ganhar um par de botas, vai ganhar máquinas, um orçamento e ser da área, competente para estar no dia a dia com os produtores e não sentado o dia inteiro, como acontece hoje.

Qual sua proposta para a máquina pública?
Meu primeiro passo como prefeito vai ser reduzir o salário. Está em torno de R$ 20 mil hoje, vamos reduzir pela metade. É o mínimo que podemos fazer. O exemplo tem que partir do prefeito. O prefeito de Estrela ganha quase o que ganha o de São Paulo. Eu não assumo a prefeitura sem uma auditoria. Vamos olhar com lupa cada contrato desses oito anos.

Qual sua proposta para a segurança?
Eu moro em Estrela há 61 anos. De noite, não tem nem cachorro na rua, é um deserto, um perigo sair. Uma das nossas propostas seria a Guarda Municipal. Não ter uma guarda só para cuidar do patrimônio, mas para cuidar da vida das pessoas. Hoje tem as câmeras que auxiliam. Mas vou propor de estudarmos a possibilidade de interligar as câmeras particulares com o sistema.

Por que o eleitor estrelense deve votar em você?
Você que está em dúvida, gostaria do fundo do coração que você analisasse nossa proposta e pensasse no que dizemos. Estamos botando o dedo na ferida e dando uma apertada. Muitos podem entender como crítica, mas são esclarecimentos.