PLANTÃO FORMIGÃO

Os bolos da Iasmin

Por brincadeira, começou a se dedicar à confeitaria. As festas em família e os encontros com os amigos ficavam ainda mais especiais com suas receitas

Por

Os bolos da Iasmin
Vale do Taquari

Entre as lembranças da infância, há algumas especiais para Iasmin Wallauer, como observar a avó materna preparar doces. Quando havia algum jantar em casa, a menina logo propunha a sobremesa para enriquecer o cardápio.

Por brincadeira, começou a se dedicar à confeitaria. As festas em família e os encontros com os amigos ficavam ainda mais especiais com suas receitas. Conforme o talento foi aprimorado, a família, as amigas e o namorado começaram a incentivar Iasmin a vender seus bolos. “Depois de tanto insistirem, tornaram-se meus primeiros clientes”, lembra.

O cardápio não é fixo e varia de acordo com o solicitado. “Mesmo que nunca tenha feito, descubro como fazer para atender as necessidades da pessoa”, explica. Além dos bolos, ela também se dedica à panificação. As produções são feitas sob encomenda e durante as horas vagas do trabalho como publicitária. “Depende bastante do tipo de bolo, os ingrediente e o processo, mas em geral, levo uma média de duas noites para produzi-lo”.

Por muito tempo a cozinha foi apenas um lugar para aliviar o estresse, mas hoje se tornou um espaço de descobertas. “Conhecer novos aromas, sabores e possibilidades, poder explorar o potencial de cada ingrediente, é delicioso. Me traz muita felicidade”.

Muitos doces, muitas histórias

Quem vê as verdadeiras obras de arte feitas por Iasmin mal imagina as histórias por trás delas. “O improviso é constante, como por exemplo, quando o recheio não deu o ponto certo e acabou ficando muito mole, então tive que inventar na hora da montagem, ou quando tentei fazer trufas com doce de leite e no fim virou tudo uma coisa só”.

Conhecer novos aromas, sabores e possibilidades, poder explorar o potencial de cada ingrediente, é delicioso. Me traz muita felicidade”.

Iasmin recorda também do dia em que se arriscou a fazer ovos de Páscoa, porém o processo de temperagem não saiu da forma correta e os ovos se desmancharam facilmente. “Sorte que era só pra minha família”, brinca.

Entre as obras que mais mais complexas estão algumas pelas quais mais tem carinho, como o bolo de casamento de uma amiga. “Foi difícil pois era uma grande responsabilidade e porque nunca tinha feito um bolo com andares antes”. O bolo unicórnio também foi trabalhoso “Levou muito buttercream (creme de manteiga), onde eu tive que cuidar para fazer os detalhes com todas as cores”. Além deles, outras sobremesas que deixaram a doceira muito orgulhosa foram o bolo naked cake e uma fraisier de morango adaptada, recorda.

Além dos livros, Iasmin busca conhecimento em perfis na internet. “Pesquiso de acordo com a receita ou técnica que quero aprender”.

galeria