Auto Giro

Eclipse Cross, o lançamento da Mitsubishi

Carro chega ao mercado como uma opção intermediária entre o ASX e o Outlander

Por

Eclipse Cross, o lançamento  da Mitsubishi

O Eclipse Cross é o novo astro da linha de SUVs da Mitsubishi. O modelo traz tecnologia de ponta poucas vezes vista no mercado e atende as demandas das pessoas que procuram um veículo para o dia a dia, seja na cidade ou fora dela. Com um design arrojado e marcante, chama a atenção por onde passa.
 
O carro chegou ao mercado no fim de 2018, como uma opção intermediária entre ASX e Outlander, mas com uma pegada mais esportiva e não tanto como um elo de ligação entre os dois modelos. Segundo o gerente de vendas da Betiolo Mitsubishi Lajeado, Sidnei Bisol, o veículo só está presente em oferta única, sem opcionais. “É um diferencial do modelo, ele vem completo com todos os itens de fábrica por um preço justo.”
 
Bisol destaca que o público-alvo, são pessoas mais requintadas, de classe média alta, ou alta, com a situação financeira mais estável.
Para o gerente de vendas, o consumidor procura o carro pois dentro da faixa de valor ele é o que comporta mais itens de segurança. “Ele tem preço de SUVs de categoria inferior, mas opcionais em categorias bem acima. Ele te entrega muito por um valor bem acessível.”
 
Os principais concorrentes são o Compass e o HR-V. “Ele é o único que vai ter 4×4 na versão gasolina. Tem dois tetos solares, tem um design diferente, maior quantidade de itens de segurança ativo e passivo.” Segundo Bisol, a expectativa de vendas no Brasil é de 2 mil unidades mês.
 

Aparência

 
O Mitsubishi Eclipse Cross tem um aspecto visual bem expressivo. Ele pouco parece com o ASX, que é mais comportado em suas linhas, tendo um olhar mais aguçado e determinado. O estilo Advanced Dynamic Shield reduz o tamanho dos faróis, que no caso têm dois projetores de LED e luzes diurnas em LED, ampliando a impressão visual dos faróis de neblina e repetidores de direção.
 
A grade cromada em lâminas une o conjunto ótico e se sobrepõe aos dois grandes frisos cromados, que criam um formato de “X” no conjunto frontal do Mitsubishi Eclipse Cross. Com sensores de estacionamento, o para-choque tem um aspecto fluído e harmonioso com o restante.
 
Há também o detector de pedestres com frenagem automática, mas o alerta de faixa é apenas visual e sonoro, nada de correção. Alerta de tráfego traseiro, retrovisor eletrocrômico, farol alto automático, sensor de chuva e sensores de estacionamento traseiro (e os dianteiros, já citados), além de monitoramento de pressão dos pneus, Auto Hold e freio de estacionamento eletrônico completam os itens de assistência ao condutor.
 
As rodas de liga leve aro 18 são diamantadas e apresentam pneus 225/55 R18 voltados para o asfalto. O crossover tem ainda retrovisores com repetidores de direção e rebatimento elétrico, além de frisos cromados nas janelas e protetores na parte inferior das portas.
 
Na traseira, as lanternas são em LED, mas apenas as extremidades são iluminadas, enquanto a lente que as une sobre a vigia dupla traseira, tem apenas a parte central como brake light.
O defletor de ar no teto, as barras longitudinais e o vidro duplo do teto são outros destaques do visual exterior do Mitsubishi Eclipse Cross.
 

Interior

 
Por dentro, o ambiente tem um aspecto moderno, mas nada além disso. Não é luxuoso e nem busca isso. O acabamento tem boa qualidade na montagem e materiais, sendo soft no painel e levemente na parte superior das portas dianteiras. Há revestimento do mesmo tipo nas partes centrais.
 
Bancos e apoios de braço dianteiros possuem revestimento em couro com costuras vermelhas, assim como o volante. Este, por sua vez, não chama muito atenção, mas vem com controle de cruzeiro adaptativo, controles de mídia e telefonia e uma função interessante, que é a visualização lateral através de uma câmera no retrovisor direito.
 
Já a multimídia tem na versão brasileira 7 polegadas, hot spot Wi-Fi, Bluetooth e sistema de som com subwoofer e os sistemas Android Auto e Car Play, ambos com Waze e Google Maps. Há câmera de ré e a já mencionada visão lateral. Revestimento soft que imita fibra de carbono e detalhes em cinza e preto brilhante completam o visual. A alavanca tem deslocamento reto e ao lado o botão do S-AWC. Há bons porta-copos e objetos na frente e atrás. O banco do motorista tem ajustes elétricos sem memória.
 
Na parte traseira, chama a atenção o cinto de três pontos central, que é preso na coluna do lado esquerdo, evitando assim a ancoragem no teto. Aliás, o banco traseiro tem três apoios de cabeça embutidos no encosto para permitir maior visibilidade traseira, ampliada com a vigia dupla.
O ambiente ainda comporta um porta-malas de 473 litros de capacidade variável, de acordo com o ajuste do banco traseiro, bem como iluminação ampliada com o teto duplo, sendo o dianteiro de abertura elétrica e ambos com persianas elétricas.