Quatro finais para o Grêmio

Opinião

Caetano Pretto

Caetano Pretto

Jornalista

Colunista esportivo.

Quatro finais para o Grêmio

Por

Estado
CRON - Novembro Azul - Lateral vertical - Final vertical

Apesar de todos os problemas apresentados ao longo do campeonato, o Grêmio ainda tem chances de escapar do rebaixamento à Série B. O empate com o Flamengo não foi o esperado, mas garantiu mais um ponto ao Tricolor. Vagner Mancini e o elenco precisam agora encarar a partida contra o Bahia como um final de Copa do Mundo.

Restam quatro jogos para o fim do Brasileirão e o Grêmio está quatro pontos atrás do primeiro time fora da zona de rebaixamento. Os números apontam para um provável descenso, mas ele ainda é evitável.

Para isso, terá de jogar mais do que já jogou nesta temporada para somar três vitórias nos quatro confrontos restantes. Bahia (fora), São Paulo (casa), Corinthians (fora) e Atlético-MG (casa). Se fizer o que fez nas três últimas rodadas: duas vitórias e um empate, estará praticamente salvo.

Olhando caso a caso, se empatar com o Bahia e vencer os dois jogos em casa, terá grande chance de permanecer na Série A. Basta acreditar e buscar a superação. E se não cair, o Grêmio deve pensar em 2022 da mesma forma como se fosse rebaixado. Uma profunda remodelação.


As verdades de Paixão

Não existe calmaria nos lados do Estádio Beira-Rio. Até quando o maior adversário está em vias de ser rebaixado, o Inter consegue criar algum tumulto. E quase sempre interno. O da vez veio com Paulo Paixão.

Cá entre nós, o preparador físico multicampeão não falou inverdades. A exceção de uma crítica “baixa” em relação à Boschilia, falou o que todos sabem mas poucos têm coragem de mencionar: o elenco do Inter é ruim. Tem peças boas? Tem. Mas poucas. É um elenco curto e que precisa passar por mudanças. Coudet falava isso, Taison já falou, e agora foi Paixão.