Dia Mundial Sem Tabaco

opinião

Hugo Schünemann

Hugo Schünemann

Médico oncologista e diretor técnico do Centro Regional de Oncologia (Cron)

Dia Mundial Sem Tabaco

Por

Atualizado sábado,
05 de Junho de 2021 às 07:36

Lajeado
Tudo na Hora 2 - Lateral vertical - Final vertical

O tabaco é uma planta de origem americana, usada normalmente em rituais primitivos, que foi introduzida na Europa a partir da colonização dos EUA.
Nos anos 1700 foi ganhando força e se espalhando na Europa, onde mais tarde recebeu o nome de “erva santa”. Acreditava-se que agia para curar doenças respiratórias. Esta visão persistiu até o início dos anos 1900.

A Primeira Guerra Mundial (1914 – 1918) foi a primeira grande guerra industrial e a mobilização de homens e máquinas foi enorme. Para manter a máquina de guerra funcionando, as pessoas foram estimuladas a fumar, já que o cigarro, com sua nicotina, era um bem estimulante.

A guerra acabou, mas o consumo de cigarros não – e virou excelente negócio. As pessoas fumavam no trabalho, em casa, no lazer…enfim, o tempo todo.
Nos anos 1930, médicos europeus perceberam um número crescente de casos de câncer no pulmão. Mas aí veio a Segunda Guerra Mundial, a segunda grande guerra da era industrial e esta, por sua vez, mobilizou uma quantidade muito maior de máquinas, bens, e homens. Os cigarros, claro, foram junto. E agora, não só para os homens na frente de batalha, mas para as mulheres também, que passaram a ocupar grande parte das vagas nas fábricas. A segunda grande guerra durou 6 anos, 1939 – 1945, destruiu a Europa, matou milhões de pessoas, deslocou outro tanto e transformou o ato de fumar em comum, corriqueiro.

Entretanto, nos anos 1960, enquanto o número de casos de câncer de pulmão vinha em ascensão na população masculina, passou a subir também na população feminina.

Nos anos 1970, surgiram as primeiras evidências claras da relação entre o aumento nos casos de câncer de pulmão e o consumo do tabaco. Também nesta época, passou-se a relacionar o tabaco a outros cânceres, como laringe, boca, língua e bexiga. Além disso, surgiram evidências claras da sua relação com doenças cardíacas e outras doenças pulmonares. Enfim, não era uma “erva santa”.

Os problemas de saúde relacionados ao fumo tornaram-se questão de saúde pública e várias campanhas foram feitas contra o uso. Restrições a comerciais, restrições ao uso de tabaco em áreas comuns em prédios, restaurantes, proibição do fumo em aviões, etc.

Hoje, embora tenhamos todas estas restrições, o problema continua. Parte dele porque tratamos os que já fumaram tempo bastante, para desenvolver as doenças.

O câncer de pulmão é o que mais mata, entre os tumores malignos, homens e mulheres. Luzes vêm surgindo, com novos tratamentos. Vislumbra-se a possibilidade de controle da doença, em futuro próximo. Mas a prevenção, com certeza, ainda é a melhor estratégia. Assim, o consumo de tabaco DEVE ser eliminado de nosso dia a dia, para que se tenha vida mais longa e com mais qualidade, enfim uma vida pena!