opinião

Amanda Cantú

Amanda Cantú

Jornalista

Colunista do caderno Você

Cuidado com o greenwashing

Por

Não é segredo para ninguém que nosso estilo de vida se tornou insustentável. Inclusive, já falei sobre isso aqui antes. Gastamos recursos naturais mais rápido do que o planeta consegue repor. Consumimos demais, sem olhar crítico. Produzimos toneladas de lixo todos os dias, muitas vezes sem dar o destino correto. A desculpa de que é por conforto ou costume já não cola. Precisamos modificar nossos hábitos.

Muita gente já se deu conta disso e iniciou um processo de mudança no estilo de vida, como é o caso de alguns dos personagens que você conhece na última edição do caderno Você.

Para minha felicidade, tenho o orgulho de ver cada vez mais amigos também se comprometendo em fazer sua parte. Há quem adote o veganismo, diminua o consumo, construa sua própria horta em casa ou compre orgânicos de produtores locais, prefira produtos ecológicos e que não sejam testados em animais.

Essa onda sustentável felizmente também já fez várias empresas despertarem para a necessidade de olhar para o futuro planeta na hora de produzir. Porém, muitas ainda surfam a onda da sustentabilidade apoiadas no greenwashing, e não em um compromisso sincero de reduzir o impacto ambiental dos seus produtos e serviços.

Greenwashing é um termo em inglês que pode ser traduzido como “lavagem verde”. O conceito nomeia técnicas oportunistas de marketing, adotadas para vender uma falsa ideia de cuidado com o meio ambiente, mas sem apresentar uma justificativa, dados ou informações concretas que demonstrem um engajamento verdadeiro.

Conforme me explicou a Stéfani, biotecnologista entrevistada para a matéria principal da edição do caderno, para driblar o greenwashing devemos ficar atentos aos selos das certificadoras que fazem a rastreabilidade de produtos, como Ecocert, IBD e o selo Eu Reciclo.

O greenwashing é como uma propaganda enganosa. Passa uma imagem, mas a realidade é bem diferente. Por isso, outra forma de também estar atento é observar o uso de frases vagas e explicações pouco consistentes, como “ecologicamente correto”, “amigo do planeta”, “responsabilidade socioambiental”, entre outras.

O lifestyle ecológico vende muito e é preciso ficar atento para, em nossa ânsia de querer salvar o futuro, não cair em mais uma armadilha. Quando as marcas adotam o greenwashing, ele se torna tão prejudicial quanto não assumir nenhuma atitude diante da situação.