Fruki Bebidas prevê faturamento superior a R$ 750 milhões para 2024

ENTREVISTA | A HORA BOM DIA

Fruki Bebidas prevê faturamento superior a R$ 750 milhões para 2024

Com forte crescimento em Santa Catarina, empresa projeta expansão para outros países, além de mais uma linha de produção

Por

Fruki Bebidas prevê faturamento superior a R$ 750 milhões para 2024
Aline Eggers Bagatini (Foto: Rodrigo Gallas)

A Fruki Bebidas projeta faturar R$ 750 milhões em 2024. Com forte crescimento em Santa Catarina, empresa ainda expande operações para outros países e abre mais uma linha de produção. “São muitas oportunidades dentro do estado, mas os olhos estão centrados em Santa Catarina onde o mercado está muito bom. Os números comprovam uma grande aceitação do nosso produto Água da Pedra”, diz a CEO da companhia, Aline Eggers Bagatini.

Além disso, a empresa está com vagas abertas para contratação de novos colaboradores. “Já são mais de mil funcionários em Lajeado e demais regiões do estado e Santa Catarina.” Ao longo de todo o mês de maio, a companhia desenvolveu incansável trabalho concentrando atividades na produção de água mineral para atender o estado que sofria com desabastecimento do produto devido à enchente que assolou a região e o RS. 

Mesmo com a logística afetada por conta dos acessos obstruídos, dificuldade de deslocamento dos colaboradores e, ainda, mais de 80 deles afetados diretamente com a cheia história, a empresa conseguiu cumprir com a missão. “Todos ficamos sem água, sem energia, as pessoas ligavam direto pedindo água, todos passando pelo mesmo sofrimento, não podíamos parar. Direcionamos a produção para atender os clientes dentro dos lares que também e, ao mesmo tempo, uma forma de doar e atender aquelas pessoas desabrigadas, sem que uma coisa concorresse com a outra”, descreve Aline.

Em meio a todo esse cenário vivido, a empresa segue com forte crescimento em Santa Catarina e com planos de expansão para outros estados e países próximos. Aline destaca o início da cotação de mais uma linha de produção que deve seguir o mesmo projeto implantado em Paverama. “Em duas semanas, nossa equipe estará participando da Fispal, em São Paulo, uma feira de tecnologia em alimentos e, sem dúvida, virá de lá cheia de novidades”. 

Logística 

Para Aline, a chegada de matéria prima está sendo um grande desafio. “O Vale do Taquari teria que ter outras rodovias, vias de acesso, anéis viários, pontes que nos ligam aos municípios. Não podemos ficar nas mãos da BR-386. O que estamos vivendo agora, empresários desesperados, a gente fica muito preocupado com o que vai acontecer com essas empresas enquanto a logística não for resolvida e precisa ser logo.”

Acompanhe a entrevista na íntegra

Acompanhe
nossas
redes sociais