Lideranças se mobilizam para reconstruir ponte entre Dois Lajeados e Cotiporã

UNIÃO DE ESFORÇOS

Lideranças se mobilizam para reconstruir ponte entre Dois Lajeados e Cotiporã

Estrutura provisória tem custo estimado em R$ 3 milhões

Por

Lideranças se mobilizam para reconstruir ponte entre Dois Lajeados e Cotiporã
Parte da estrutura foi levada na enchente de setembro de 2023. Crédito: Divulgação
Vale do Taquari

Empresários da região alta e da serra apresentaram nesta semana a Associação Caminhos do Vale e da Serra. A iniciativa tem o objetivo de buscar recursos para reconstruir a ponte que liga os municípios de Dois Lajeados a Cotiporã. Parte da estrutura que cruza o Rio Carreiro foi destruída na enchente de setembro do ano passado.

Conforme o empresário Daniel Bortolotto, um dos líderes do grupo, a Associação tem um orçamento estimado de R$ 3 milhões. A reconstrução será executada de forma mista em aço e concreto. A meta é arrecadar o valor em até 60 dias por meio de uma conta PIX, rifas e eventos. O prazo para a conclusão da obra fica entre 90 e 120 dias, com o início da obra previsto para setembro.

“Seriam utilizados os pilares existentes e construído outro para resistir à força hidrostática, e a ponte será colocada em cima destes vãos. Esta ponte será provisória e ficará dentro da quota de inundação. Como existe um projeto da Defesa Civil nacional para a construção de uma nova estrutura com 15 metros de altura, fora da quota de inundação, a ponte que está sendo capitaneado recursos poderá ser realocada em outro local quando a ponte que será construída pela Defesa Civil estiver pronta”, explica Bortolotto.

O presidente da Associação dos Municípios da Encosta Superior do Nordeste (Amesne) e prefeito de Guaporé, Valdir Fabris, garantiu que o poder público será parceiro. “Vamos trabalhar muito. Estamos sempre ao lado de iniciativas como esta. É uma ponte provisória, mas essencial para todos nós”, afirmou. O presidente da Associação dos Municípios do Alto Taquari (Amat) e prefeito de Vespasiano Corrêa, Thiago Michelon, valorizou a mobilização da comunidade, embora a responsabilidade seja do poder público.

“O momento é de calamidade e nós, gestores públicos, nem sabemos para quem procurar diante de tamanha destruição. Somos uma região de cultura trabalhadora, de sangue que ferve e quer ver a coisa andando. Temos pressa. A lavoura, a produção, as empresas e as pessoas precisam reestabelecer suas atividades e a situação é gravíssima no Estado”, comentou.

A associação prestará contas dos recursos arrecadados e conta com o apoio da Câmara de Indústria, Comércio, Agronegócio e Serviços de Guaporé, Câmara dos Dirigentes Lojistas de Guaporé e Dois Lajeados, Sindicado das Indústrias de Joalheria e Lapidação de Pedras Preciosas do RS – Sindijoias-RS, Sindicato dos

Trabalhadores Rurais e EMATER dos municípios envolvidos, Hospital de Caridade São Roque de Dois Lajeados e Associação Hospital Manuel Francisco Guerreiro de Guaporé.
Doações via pix podem ser feitas por meio da chave caminhosdovaleedaserra@gmail.com.

Acompanhe
nossas
redes sociais