Venâncio Aires avalia projeto de infraestrutura no terreno do antigo IPM

"A Casa é Sua – Calamidades”

Venâncio Aires avalia projeto de infraestrutura no terreno do antigo IPM

Área de 5,7 hectares, em Vila Estância Nova, destinada à receber 40 casas do programa do Governo do Estado

Por

Atualizado segunda-feira,
27 de Maio de 2024 às 16:37

Venâncio Aires avalia projeto de infraestrutura no terreno do antigo IPM
Foto: Assessoria de Imprensa/Divulgação
Venâncio Aires

O prefeito Jarbas da Rosa, acompanhado dos secretários municipais de Infraestrutura, Meio Ambiente e Planejamento, visitou no fim de semana, a área de 5,7 hectares, em Vila Estância Nova, destinada à receber 40 casas do programa “A Casa é Sua – Calamidades”, do Governo do Estado.

A administração de Venâncio Aires corre contra o tempo para preparar o terreno com a infraestrutura necessária para o investimento. Além da demolição de dois prédios em ruínas existentes na área, ligações de água, esgoto, energia elétrica e obras de pavimentação devem ser realizadas no local.

A visita à área definiu estratégias de cada secretaria envolvida com relação ao projeto de demolição dos prédios, que deve ser orçado por empresa terceirizada; necessidade de aterro e limpeza de vegetação, além da topografia e adequação das moradias ao terreno e abertura de ruas. “Nossa intenção é definir orçamentos e iniciar os trabalhos na área o mais breve possível. Além das 40 casas já anunciadas pelo Estado, solicitei para a equipe previsão de espaço para área de lazer, ampliação da nossa Unidade de Saúde e, quem sabe, até abrigar pequenos comércios”, revelou o prefeito.

Ao lado da área do IPM, tramita junto ao governo do estado processo de licenciamento ambiental do novo Distrito Industrial, que o município pretende acelerar como alternativa conjunta para atração de desenvolvimento para a área de Estância Nova. “Não basta querer tirar as pessoas de Mariante ou áreas de risco. É preciso oferecer um lugar melhor, a expectativa de trabalho e renda. Para isso o novo Distrito Industrial no local seria fundamental”, acrescenta o administrador.

Foto: Assessoria de Imprensa/Divulgação

Sem previsão de entrega das casas definitivas do governo do estado e dos projetos de habitação já em andamento pelo município, a prefeitura usa como medida paliativa para as famílias que perderam suas casas com a enchente, o aluguel social. Já são 81 pedidos encaminhados, onde a prefeitura para o aluguel das famílias por até 18 meses. Nove famílias que estavam em abrigos públicos já estão em suas casas através da modalidade e outras sete com contratos assinados para mudança.

Acompanhe
nossas
redes sociais