Água represada rompe ERS-240 na região metropolitana

TRÂNSITO

Água represada rompe ERS-240 na região metropolitana

Caso aconteceu na altura do km 20,5, onde água passava sob o asfalto por uma tubulação

Por

Água represada rompe ERS-240 na região metropolitana
Foto: repropdução / redes sociais

Um trecho da rodovia ERS-240 desabou na noite de segunda-feira, 20, em razão de um acumulado de água em Capela de Santana, na região metropolitana. O caso aconteceu na altura do km 20,5, onde um volume de água passava sob o asfalto por uma tubulação.

A CSG Caminhos da Serra Gaúcha, concessionária responsável pela rodovia, disse em nota que “o trecho foi bloqueado totalmente às 16h30min de segunda” e que “uma equipe trabalhava para drenar o volume excessivo de água” desde quinta-feira, 15. A origem da água seria as fortes chuvas.

Nota da concessionária

A CSG informa que ocorreu na noite desta segunda-feira (20) uma ruptura de pista na ERS-240, km 20,5 em Capela de Santana.

O trecho vinha sendo monitorado pela companhia desde o dia 30 de abril. A equipe da empresa já vinha trabalhando desde a última quarta-feira (15) no local para drenar o volume excessivo de água na borda da pista causado pelas fortes chuvas que resultaram na maior catástrofe climática da história do estado do Rio Grande do Sul.

A concessionária acrescenta que o trecho foi bloqueado totalmente às 16h30 desta segunda, sem incidentes e sem qualquer risco aos motoristas e demais usuários da rodovia.

Também na tarde desta segunda-feira, após a constatação de perigo iminente, a companhia comunicou a Defesa Civil para que alertasse a população sobre o risco de desmoronamento da pista e, consequentemente, invasão de água no perímetro urbano.

Desde a pausa das últimas chuvas, no dia 15 de maio, a CSG instalou uma bomba hidráulica de alta potência para drenar a água acumulada e reduzir a pressão hidráulica no aterro da rodovia com o objetivo de, posteriormente, substituir a linha de bueiro existente por uma galeria de águas pluviais mais adequada. Durante os trabalhos, na tarde desta segunda-feira (20), a CSG observou que o local não estava suportando a pressão hidráulica ainda existente, constatando o perigo.

A CSG se solidariza com os moradores dos bairros afetados pela vazão do volume de água represado. A companhia está em contato com a Defesa Civil e com a prefeitura de Capela de Santana para avaliar os danos e, prontamente, restabelecer as condições de tráfego e prover a máxima segurança à população.

 

Acompanhe
nossas
redes sociais