Semana Santa consolida venda de pescados no Vale

ALÉM DA TRADIÇÃO

Semana Santa consolida venda de pescados no Vale

Para este ano, só a Associação de Piscicultores de Sério produz 10 toneladas de peixes para a data. Todo o Vale deve alcançar mais de 340 toneladas. Por outro lado, municípios apresentam perdas decorrentes das enchentes

Por

Atualizado terça-feira,
26 de Março de 2024 às 10:23

Semana Santa consolida venda de pescados no Vale
Na Piscicultura Águas do Vale, de Mato Leitão, são 10 toneladas de peixes comercializados na Semana Santa. (Foto: Bibiana Faleiro)

A Semana Santa faz parte do calendário dos produtores de peixes, como a data de melhor comercialização de pescados. Isso porque o consumo do animal faz parte da cultura cristã e impulsiona as vendas. Na região, assim como no ano passado, a comercialização deve passar das 340 toneladas.

Para atender a demanda, municípios do Vale e Emater-RS/Ascar organizam espaços para a venda coletiva de pescado, nas feiras do peixe vivo. A comercialização também ocorre de forma direta nas propriedades durante esta semana. Na região, são pelo menos 264 locais mapeados pelo serviço de assistência técnica do Estado.

Apesar da boa expectativa de vendas, a produção foi impactada pelas enchentes de 2023. Municípios como Colinas não fazem a feira este ano e outros como Arroio do Meio não possuem produções próprias e recorrem a entidades como a Associação de Piscicultores de Sério.

Integrante da associação, Claudiomiro Stoll é produtor há 9 anos na localidade de Paredão, em Sério. Para a Semana Santa deste ano, produziu 2,5 mil quilos de peixe para a comercialização.

10 toneladas

Foto: Divulgação

A quantidade integra as 10 toneladas de pescado que sai de Sério para as feiras do Vale. Além de estar pela primeira vez em Arroio do Meio, a associação participa de mais uma edição da Feira do Peixe Vivo em Lajeado.

De acordo com Stoll, a expectativa para a cidade é vender entre 4 e 5 toneladas de peixe. Em Arroio do Meio, de 3 a 4 toneladas, e na feira do peixe na taipa, como é chamada a comercialização nos açudes, de 2 a 3 toneladas em Sério.

Apesar da expectativa de superar a comercialização de 8 toneladas de peixe do ano passado, Stoll diz que as dificuldades de 2023 fizeram cair a produção para este ano. “A economia deu uma baixada, tivemos um período de seca e as enchentes também atrapalharam”, comenta.

Com feira do peixe vivo uma vez por mês durante todo o ano, em Lajeado, junto à Feira do Produtor, o forte da associação, no entanto, é a Semana Santa. Conforme Stoll, o principal peixe comercializado é a carpa, de diferentes tipos, que varia de R$ 12 a R$ 15.

Maior demanda

De acordo com a assistente técnica da Emater, Andréia Tonin, em 2023 foram comercializadas 3,6 toneladas de peixe vivo em Lajeado e a expectativa para este ano é aumentar o número.

Segundo Andréia, além das cerca de 4 toneladas comercializadas nas feiras, na taipa dos açudes, a expectativa é vender mais de 9,5 toneladas de peixe durante a Semana Santa. Os peixes vivos mais comercializados no município são as carpas.

“Observamos uma tendência de aumento na comercialização de peixes, pois no ano passado faltou em todos os dias de feira no Centro. Esse ano estamos organizados para aumentar a oferta e atender a demanda dos consumidores”.

Andréia destaca que as feiras em Lajeado, nos demais meses do ano, concentram maior procura por imigrantes haitianos e senegaleses, que possuem o consumo de peixe como parte da cultura.

Na propriedade de Alecio Feil,
em Forquetinha, foram retirados do açude mais de 3 toneladas de pescado

Dados da Emater ainda indicam que cerca de 7,8 mil famílias criam peixes para venda ou consumo próprio no Vale. Entre as preferências dos criadores também estão as carpas, com destaque para a capim, cabeça grande e húngara. Há ainda, incremento na criação de tilápia.

Só na propriedade de Alecio Feil, em Forquetinha, por exemplo, foram retirados do açude mais de 3 toneladas de pescado. Em ação de venda no fim de semana, foram comercializadas 2,8 toneladas.

 

Benefícios da carne de peixe

  • Ajuda na prevenção de doenças cardiovasculares;
  • Contribui para o controle dos níveis de colesterol;
  • É rico em proteína, vitaminas e minerais;
  • Possui alta proporção de gorduras saudáveis (gorduras insaturadas);
  • Vários tipos de pescado são fontes de ômega 3 (atum, pintado, sardinha, arenque, anchova, tainha,
    bacalhau e truta;
  • O ômega 3 auxilia na manutenção de níveis adequados de triglicerídeos.

60 açudes para a produção

Apesar do bom movimento o ano todo, a Semana Santa também ganha destaque nas vendas de Vandir Luis Leonhardt, proprietário da Piscicultura Águas do Vale. A empresa, localizada na Estrada Boa Esperança Alta, de Mato Leitão, possui produção de alevinos e alevinões, assim como o comércio de pescados e, nesta semana, projeta vender cerca de 10 toneladas de peixes.

Na propriedade de 20 hectares, 60 açudes são responsáveis pela produção. O forte da empresa também é a venda de congelados, em especial, da tilápia e carpa capim. A venda não é feita em feiras. Os clientes já conhecem a piscicultura que completa 34 anos.

O laboratório para a criação de alevinos foi criado mais tarde, nos anos 90 e, hoje, são mais de 3 milhões dos pequenos peixes vendidos no ano. A seca e as enchente também tiveram impactos na produção de Leonhardt. Ele explica que o baixo nível das águas resulta em menos oxigênio e menos desenvolvimento aos peixes. Além disso, os alevinos ficam mais expostos a aves e outros animais.

No geral, ele diz ser um bom negócio, que tende a crescer. “As pessoas vêm apresentando uma mudança de hábitos, consumindo mais peixes, que trazem benefícios à saúde”, destaca. Ele ainda diz que prefeituras e entidades incentivam a produção por todo o Vale.

Boas vendas

Em Venâncio Aires, José Fischer, 65, é um dos maiores produtores de peixes. (Foto: Cristiano Wildner)

Em Venâncio Aires, José Fischer, 65, é um dos maiores produtores de peixes. Com propriedade na Linha Bela Vista, ele comercializa peixes há duas semanas para a data. Já foram vendidos 2 mil quilos e, até a Sexta-feira Santa, espera comercializar 3,5 mil quilos. Fischer vende peixes de 3,5 a 19 quilos. Os mais procurados são as espécies de carpa capim e húngara.

Este ano, as prefeituras de Putinga, Muçum, Coqueiro Baixo, Roca Sales e Encantado não vão organizar a feira do peixe vivo.

Pontos de venda

  • 147 – propriedades rurais
  • 16 – feiras Pesque e Pague
  • 57 – pescadores
  • 23 – ambulantes
  • 10 – locais diversos
  • 2 – beira do rio

Pela região

ESTRELA

  • Dias 27, 28 e 29, das 7h às 19h – Na Praça Henrique Roolaart, no Centro, junto à Feira do Produtor;
  • Dia 27, das 7h às 13h – Na sede da Ambu, no Bairro Boa União;
  • Dia 28, das 7h às 13h – Na sede da AMBI, no Bairro das Indústrias;
  • Dia 29, das 7h às 13h – Na Antiga Casa da Criança, no Bairro Imigrantes.

Fazenda Vilanova

  • Dia 23, a partir das 8h30min – Na propriedade de Lécio Sulzbach, em Posses;
  • Dias 26, 27 e 28, a partir das 9h – Na banca da RS-128, na Via Láctea, km 17;
  • Dias 27 e 28, a partir das 8h30min – Embaixo da elevada, no Centro.

Bom Retiro do Sul

  • Dia 27, das 15h às 20h – Recanto do Peixe, no Bairro Cruz das Almas;
  • Dia 28, das 9h às 20h – Recanto do Peixe, no Bairro Cruz das Almas;
  • Dia 29, das 9h às 12h – Recanto do Peixe, no Bairro Cruz das Almas;
  • Dia 27, das 15h às 19h – Parque Pôr do Sol;
  • Dia 29, das 9h às 19h –
    Parque Pôr do Sol.

Teutônia

  • Dia 28, das 8h às 18h – Praça Evangélica, no Bairro Canabarro;
  • Dia 28 – Propriedade de Dercio Fiegenbaum, em Linha São Jacó;
  • Dia 29, a partir das 6h30 – Praça Evangélica, no Bairro Canabarro.

Lajeado

  • Dias 26 a 28, das 9h às 18h – Junto ao espaço da Feira do Produtor Rural, ao lado do Parque Professor Theobaldo Dick;
  • Dia 29, das 9h às 11h30 – Junto ao espaço da Feira do Produtor Rural, ao lado do Parque Professor Theobaldo Dick.

Progresso

  • Dia 26 – Na propriedade de Ivo Bagatini, Laranjeiras;
  • Dia 26, a partir das 13h30min – Na propriedade do Roberto Barbosa Campo Branco;
  • Dia 27, a partir das 9h – Praça Central, a cargo do produtor José Ferreira.

Boqueirão do Leão

  • Até dia 28, a partir das 8h30min – Praça Dr. Anuar Elias Aesse.

Arroio do Meio

  • Dias 27 e 28, das 8h às 18h – Na quadra coberta localizada aos fundos da secretaria de Educação e Cultura.

Nova Bréscia

  • Dia 27, a partir das 10h – propriedade de Airton Fachini, na Linha Estefania.

Doutor ricardo

  • Dia 27, a partir das 10h, em frente a prefeitura.

Dois Lajeados

  • Dia 28, a partir das 10h – Propriedade de Sedenir Grando, na Comunidade Linha Emília.

Santa Tereza

  • Dia 28, durante a manhã – Garagem das Máquinas da prefeitura.

Acompanhe
nossas
redes sociais