Novo código de edificações oferece mais autonomia aos profissionais

política e cidadania

Novo código de edificações oferece mais autonomia aos profissionais

Documento atualizado e que passará por aprovação na Câmara possui 131 artigos, 101 a menos do que o original que não era atualizado há 30 anos

Por

Novo código de edificações oferece mais autonomia aos profissionais
Entidades do setor da construção farão estudo para avaliar documento apresentado pelo governo. (Foto: Filipe Faleiro)
Lajeado
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

Facilitar a compreensão, adequar e simplificar o conjunto de regras. Com estes objetivos, o governo de Lajeado concluiu a modificação do código de edificações do município. O novo formato extingue 101 artigos e reduz de 232 para 131 o número de leis que integram o documento, criado a partir da experiência que se teve na simplificação do plano diretor e atualizado integralmente pela primeira vez em 30 anos.

O novo texto depende de aprovação da Câmara de Vereadores e foi editado pelo ex-secretário municipal de Planejamento, Rafael Zanatta, após convocação do prefeito Marcelo Caumo. A pesquisa iniciou em agosto e transformou o código em um documento de 34 páginas, a partir da extinção de leis e reformulação dos outros itens.

A nova versão atende a um pedido dos empresários da construção civil, engenheiros e arquitetos, que cobravam maior clareza nas regras para execução de mudanças estruturais. Conforme Zanatta, o código vigente apresenta um texto desatualizado e em desacordo com novas tecnologias utilizadas no atual modelo de desenvolvimento dos projetos. “O objetivo é simplificar a vida de quem empreende e garantir mais celeridade para os processos”, analisa.

Mais liberdade aos profissionais

De acordo com Zanatta, todas as modificações feitas por ele visam dar mais protagonismo e poder de decisão aos responsáveis pelo desenvolvimento do projeto. Desta forma, pequenas normas técnicas especialmente voltadas a características de cômodos, janelas e divisões internas de construções ficam a cargo de quem idealiza a projeto. “Hoje o código é muito amarrado. Paredes precisam ter determinada largura, independente se ela é de tijolo furado ou de concreto maciço. Agora o profissional que encaminha o projeto tem mais autonomia para propor soluções e a prefeitura terá o respaldo legal para poder aceitar, justifica.

O documento especifica as responsabilidades do município e do responsável pela edificação, além de estabelecer normas administrativas. Os capítulos se dividem em regras sobre tapumes andaimes, conservação de terrenos edificados ou não, fixação de terras, construções junto a recursos hídricos além de aspectos estruturais como paredes, fachadas, mezaninos, marquises, telhados, chaminés, portas e janelas, escadas, corredores, vãos, dutos de ventilação, entre outros modelos de obras. “Nas residências, por exemplo, havia a obrigatoriedade de haver lavanderia. Mas e se o prédio tem uma lavanderia compartilhada?”, exemplifica.

A proposta de novo código foi entregue na sexta-feira, 22, para entidades ligadas ao setor. A ideia é que o texto seja analisado pelos especialistas na área. Conforme o presidente do Sindicato das Indústrias de Construção Civil (Sinduscon-VT) a partir da próxima semana será feito o estudo do documento para uma devolutiva. “É que nós sempre pedimos, menos intervenção do setor público”, resume.

Novo código na prática

  • Profissional pode propor soluções com base em cálculos ou novas tecnologias;
  • Retirada da necessidade de ambientes mínimos para as construções;
  • Novas formas para calcular iluminação e ventilação (tendo em vista novas tecnologias e formas de uso);
  • Mudança na forma do cálculo de reservatórios de água;
  • Modificação no cálculo para necessidade de elevadores;
  • Facilidade para obter a Carta de Habite-se.

Acompanhe
nossas
redes sociais