Região prepara pedido para  incluir pacote de obras na 386

política e cidadania

Região prepara pedido para incluir pacote de obras na 386

Asfalto nas vias laterais de Marques de Souza, acesso ao bairro Pinheiros em Estrela, e elevação das ruas paralelas estão entre as reivindicações previstas para serem apresentadas em audiência pública com CCR ViaSul e ANTT

Por

Região prepara pedido para  incluir pacote de obras na 386
Bento Rosa mais alta /Lajeado. (Foto: ARQUIVO)
Vale do Taquari

A revisão do contrato de concessão para estabelecer tarifa de pedágio, andamento das obras e inclusão de demandas ocorre entre fevereiro e março. A CCR Viasul ainda não confirmou as datas das audiências públicas com o Conselho de Usuários.

Em meio ao atraso de seis meses na entrega da duplicação do primeiro trecho (Marques de Souza a Lajeado) e os transtornos causados pela ampliação da pista de Lajeado a Estrela, os representantes do Vale do Taquari sobem o tom nas cobranças.

Enquanto isso, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), responsável pela fiscalização sobre o cumprimento do contrato, acompanha o andamento das obras e alerta para possibilidade de tarifa do pedágio ser reduzida como multa devido às falhas na gestão da obra.

O conselho tripartite tem integrantes de todas as regiões com rodovias concedidas à iniciativa privada. Pelo Vale, os representantes são o presidente da Câmara da Indústria e Comércio (CIC-VT), Ivandro Rosa (indicado pelo Codevat) e o prefeito de Estrela, Elmar Schneider (indicado pela Amvat).

Foram protocolados três projetos para incluir nas obras: a ligação entre os bairros Imigrantes e Pinheiros (Estrela), asfaltamento dos acessos secundários de Marques de Souza, e a elevação de cota na entrada secundária para Lajeado, pela rua Bento Rosa.

De acordo com Rosa, a audiência é oportunidade de cobrar a concessionária sobre o andamento das obras e acrescentar novas demandas. Essas reivindicações são tabuladas na audiência e avaliadas pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). São os técnicos da autarquia os responsáveis pela palavra final.

LAJEADO
Bento Rosa mais alta

Bento Rosa mais alta
/Lajeado. (Foto: ARQUIVO)

É justo neste sistema de acréscimo de obras prioritárias que Lajeado aposta para conseguir incluir a elevação da rua Bento Rosa em dois metros. A proposição foi levada à CCR ViaSul. A primeira resposta foi negativa. Pela análise da empresa, a responsabilidade de investimento naquele ponto seria do poder público municipal.

“A última palavra não é da CCR. Nossos representantes do Conselho de Usuários vão manter o projeto. Será apresentado em audiência e a agência pública, a ANTT ou o DNIT, podem mandar incluir no projeto. Caso isso aconteça, sabemos que pode trazer algum impacto no preço do pedágio”, diz o prefeito de Lajeado, Marcelo Caumo.

Pelo relatório do setor de Engenharia, caso a rua Bento Rosa, no bairro Hidráulica, seja elevada em dois metros, se reduz o impacto das enchentes no trânsito. Conforme o prefeito, haveria um efeito positivo sobre todo o fluxo. “Não teríamos mais interrupções em 40% das cheias do Taquari. Cada vez que interrompe o trânsito ali, aumenta o fluxo de veículos na pista principal da 386.”

MARQUES DE SOUZA
“Fomos esquecidos”

O pacote de intervenções em Marques de Souza é grande. Há pelo menos quatro projetos em mãos do Conselho de Usuários e ainda um no “Estoque de Melhorias”, nome dado pela obras que se tornaram essenciais e que ficaram de fora do projeto geral de duplicação.

“Nós fomos esquecidos. Na época em que foi feita a concessão, na elaboração do edital, nas audiências públicas, talvez por falta de participação, entendimento ou mesmo vontade, não se olhou para Marques”, diz o prefeito, Fábio Mertz.

Desde 2021, quando começaram as obras do primeiro trecho em direção a Lajeado, até agora, foram 22 reuniões entre Executivo do Município, CCR ViaSul ou equipe da ANTT. “Conseguimos mostrar que o trevo de acesso principal não pode ser como está. É uma obra grande e que a concessionária já colocou neste chamado ‘estoque’. Agora temos outras demandas em mãos do conselho”.

Essas outras demandas somam quatro intervenções. Começa pelo asfaltamento das vias paralelas na localidade de Linha Perau. Na mesma comunidade também é pedido um retorno. “Há muita distância entre os retornos. Todo o trânsito da nossa cidade foi impactado.”

Neste pacote, há também uma passarela adicional em Picada Flor. “Os moradores moram de um lado e no outro tem a sede da comunidade e o campo de futebol. Não tem como atravessar duas pistas de rodovia”, frisa o prefeito.

Por fim, estão a reeinstalação de paradas de ônibus que foram extintas durante as obras. Conforme Mertz, o principal problema é a falta de abrigo para os estudantes da rede municipal.

ESTRELA
Ligação entre bairros

Em 2021, a entrada para o Pinheiros foi fechada. Moradores e motoristas perderam a ligação do bairro com a BR-386. Isso aumentou o percurso percorrido, pois o único acesso ficou pela Rota do Sol.

Trouxe transtornos também para quem transitava pela rótula para entrar em Estrela pelo bairro Imigrante. A crítica é o tamanho do retorno, tanto para quem precisa entrar na área central quanto quem vai pela BR-386. É preciso se dirigir até a Av. Rio Branco, trecho com congestionamentos constantes, e pela rodovia se tem como alternativa as saídas pela região do porto, no bairro das Indústrias, ou pela Transantarita, o que aumenta o trajeto e o transtorno no deslocamento.

Em cima disso, o Executivo municipal formalizou o pedido para construção de um túnel no quilômetro 352, com acesso pela rua Alfredo Augusto Schwingel (Imigrantes) e pela Júlio Lohmann (Pinheiros). O formato do projeto se assemelha a “ponte seca”, na entrada secundária de Lajeado pela própria rua Bento Rosa.

Acompanhe
nossas
redes sociais