No papel, as metas para 2024

ESPECIAL

No papel, as metas para 2024

O início do ano é o período ideal para organizar os objetivos para os meses seguintes. Para garantir o sucesso, o importante é traçar metas específicas e elaborar um plano de ação

Por

Atualizado sábado,
06 de Janeiro de 2024 às 11:28

No papel, as metas para 2024
Muitas pessoas se frustram ao elaborar metas irreais e vagas. Estudos apontam que somente 10% conseguem alcançar os objetivos ao final do ano. (Foto: Raica Franz Weiss)
Vale do Taquari
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

Para muitas pessoas, o início de um novo ano é a oportunidade para um recomeço. Nesse período, é comum elaborar listas de metas e desejos para o ano que inicia. Entretanto, poucas são as pessoas que chegam ao fim dos 12 meses com as promessas cumpridas.

Uma pesquisa realizada pela Universidade de Hertfordshire, no Reino Unido, mostrou que somente 10% dos que projetam sua lista de metas alcançam seus objetivos ao longo do ano. A grande parte abandona ainda nos primeiros três meses do ano.

Para a psicóloga e especialista em comportamento de equipes, Silvia de Vargas, a constância e a disciplina são chave para garantir o sucesso. “As metas são importantes porque dão direção, sem elas, ficamos sem foco e sem rumo”, destaca. Para ela, esse momento do ano é ideal para refletir e fazer um balanço de como foi 2023 e, a partir disso, planejar 2024.

“É importante olhar também para o que eu não quero. E assim colocar no papel para onde vou querer direcionar a minha energia”. Silvia lembra que existem metas pessoais e profissionais, e precisamos entender essa diferença.

Um ponto chave, conforme a psicóloga, é definir objetivos específicos. Do contrário, as metas se tornam ambíguas e fica difícil perceber as pequenas conquistas do dia a dia. “Se você quer emagrecer, por exemplo, defina quantos quilos quer perder e em quanto tempo”, sugere.

Quando colocar as metas no papel, é importante escrever isso numa forma afirmativa e evitar o “não”.

O prazo é outra observação importante, explica Silvia. “É preciso estabelecer datas para os objetivos, mas também levar em conta a viabilidade do processo”, cita. O próximo passo é criar um plano de ação.

“É preciso sempre lembrar que as metas implicam em escolhas, ou seja, temos que desapegar de velhos hábitos e colocar esforço em novas coisas”. Aí reside outro desafio para as metas de um novo ano: traçar objetivos alcançáveis.

“Um fator determinante para o sucesso é conhecer o que funciona para cada um. Analisar aquele objetivo e se perguntar, numa escala de um a dez, o quão engajado você está e se aquilo te motiva o suficiente”, sugere.

Silvia também ressalta que, ao elaborar as metas para o ano, a pessoa deve levar em conta o que poderia dar errado no processo. “É essencial verificar quais são os elementos mais desafiadores e traçar um plano de como superá-los”, aconselha.

Planejamento na vida e nos negócios

A contadora Andréia Zwirtes Kich, de Estrela, faz metas pessoais e, em especial, para o lado profissional. “Aqui na empresa, nós sempre fazemos um planejamento estratégico. Começamos a analisar o ano que passou ainda em outubro, para então iniciar o planejamento do próximo. É importante revisar onde tivemos as maiores dificuldades e, com base nisso, traçar as metas”, destaca.

Cada vez mais, Andréia cita, é difícil estabelecer metas de longo prazo, por causa da volatilidade das coisas, mas o planejamento precisa ser feito mesmo assim, a curto, médio e longo prazo.

O hábito de organizar um novo ano acompanha ela há mais de uma década. “Sempre fui muito organizada. Faço questão de colocar energia e vibração nos meus desejos. Todo início de ano, escrevo uma carta para mim mesma sobre aquilo que quero conquistar e melhorar no ano que chega”, conta.

Ao final do ano, ela abre a carta e analisa como o período se desenrolou. “Levei isso para a empresa também, é bom para reconhecermos o que conquistamos e onde podemos melhorar”, avalia.

Quando as metas não saem como o planejado, Andréia conta que revisa e analisa porque o novo hábito não deu certo. “Me pergunto se aquilo era realmente importante para mim ou se sequer combina comigo. Por que não dediquei tempo para isso? Será que é uma prioridade? Penso que, se não me inspirou naquele ano, talvez seja uma meta para outro momento. O interesse tem que ser natural”, considera.

Para ela, quando manifestamos nossos desejos, profissionais ou pessoais, ganhamos um norte. “Acho que faz toda a diferença quando sabemos os nossos objetivos, isso dá propósito”.

Na vida e nos estudos

A organização é essencial para a estudante de medicina, Alessandra Lotes Luchesi, 26. Natural de Vila Flores, na Serra Gaúcha, veio para o Lajeado fazer faculdade, há dois anos. Foi nesse período que Alessandra precisou reorganizar os hábitos.

“Eu confesso que era meio desorganizada até o meu primeiro ano de medicina. Com a rotina corrida, me obriguei a planejar melhor os meus dias”, conta.

Assim, todo início de ano, Alessandra traça metas e pequenas conquistas que deseja alcançar nos doze meses seguintes. “Eu me adaptei a uma organização semanal, todo domingo de noite monto a minha semana, com provas, trabalhos e aulas práticas. Isso me permitiu aproveitar melhor o meu tempo livre e me dedicar a outras coisas, como a atividade física, por exemplo”, cita.

Outro aprendizado que veio com o tempo foi a flexibilidade. “Às vezes não vamos conseguir fazer exatamente o que tínhamos pensado, mas sim outras pequenas coisas. Aprendi a não me cobrar demais e a planejar metas reais e alcançáveis”.

Alessandra conta que colocar no papel ajuda com a execução da tarefa. “Quando eu anoto o que preciso fazer, isso me motiva. E depois, me ajuda também a perceber que estou realmente fazendo e evoluindo”, conclui.

Organização personalizada

Nas páginas coloridas, Maíssa Trombini, 22, organiza o ano. Foi em 2021 que a lajeadense começou a montar o próprio planner – uma agenda personalizada, feita à mão. “Lembro que era janeiro e eu ainda não tinha encontrado uma agenda como queria, então me inspirei no Pinterest e decidi comprar um caderno e eu mesma montar minha organização para o ano”, conta.

Maíssa Trombini

Os planners, também chamados de bullet journals, permitem que cada pessoa monte seu planejamento, seja diário ou anual, com aquilo que é essencial para si. “Eu me adaptei e agora faço um todo início de ano. Sinto que, quando meu planner está organizado, toda a minha vida flui melhor”, brinca.

O modelo das páginas e o conteúdo é pessoal para cada um. “Além de calendários, eu gosto de colocar as conquistas ao longo do ano, meu planejamento financeiro, lista de desejos, de livros”, conta.

Fotógrafa, percebe diferença desde que começou a usar o planner, inclusive no trabalho numa agência de publicidade. “Sinto que consegui criar novos hábitos. Faço metas todos os meses, com atividades diárias, isso me ajudou muito”.

Entre as dicas para quem tem interesse em elaborar um planner, Maíssa aconselha a não ser perfeccionista com a estética. “Começa a fazer e vai, sem muito impedimento. Aprendi também a não colocar metas vagas, o legal é criar pequenas metas todos os dias”, sugere.

O que são planners?

Maíssa começou a criar sua própria agenda há três anos e se adaptou ao processo. Com o planner, consegue personalizar o seu dia a dia

De modo simples, são cadernos com folhas personalizadas para organizar, planejar atividades e acompanhar hábitos. Os planners podem ser também chamados de bullet journals. Diferente das agendas prontas, esse tipo de caderno permite flexibilidade nos layouts, de acordo com aquilo que é importante para cada um. Planners podem ser desenhados, com a criação de espaços de anotação nas páginas em branco, com caneta, lápis de cor e outros materiais, como post-its.

Como fazer?

  1. Entenda o seu objetivo – Decida se quer criar um modelo de agenda ou um caderno para checar hábitos.
  2.  Escolha o tipo de caderno – Depende do objetivo, mas o ideal são cadernos com folhas brancas ou pontilhadas. É possível fazer com fichários também, que têm folhas removíveis. Importante atentar para folhas de maior gramatura nas páginas.
  3. Defina as seções – Separe as diferentes partes que irão compor seu planner: calendário anual, mensal, atividades diárias, lista de desejos, controle de hábitos. É legal deixar um espaço em branco no fim do caderno para eventuais ideias ou pensamentos que podem surgir ao longo do ano.
  4. Crie o layout das páginas – Pense nas cores que deseja, nas ilustrações e nos demais elementos visuais que vão compor as páginas. O importante é garantir a organização, com um layout que funcione para você.
  5. Estabeleça legendas – Crie sua própria simbologia para as tarefas, com cores e desenhos específicos para cada hábito ou atividade. Isso ajuda a visualizar melhor a rotina.

Dicas para elaborar metas

1º PASSO – Decidir o que quer – Precisa ser claro, específico e inspirador. Numa escala de um a dez, o quão disposto eu estou para alcançar isso?

2º PASSO – Colocar no papel – Escrever de uma forma afirmativa e evitar frases com “não”.

3º PASSO – Estabelecer data para a meta – A partir do prazo, criar um plano de ação coeso e acompanhar ao longo do ano. O que eu fiz nesta semana? Neste mês?

Taxa de sucesso das metas

Acompanhe
nossas
redes sociais