Denunciado pelo MPRS é condenado por tentativa de feminicídio

Tribunal do Júri

Denunciado pelo MPRS é condenado por tentativa de feminicídio

Crime ocorreu em março deste ano, quando ele tentou matar a ex-namorada, com golpes de faca em Lajeado. Pena foi de sete anos de reclusão em regime inicial semiaberto

Por

Denunciado pelo MPRS é condenado por tentativa de feminicídio
Lajeado

Acolhendo a sustentação do Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS), o Tribunal do Júri de Lajeado condenou, no dia seis de dezembro, um homem por tentativa de homicídio qualificado a uma pena de sete anos de reclusão em regime inicial semiaberto. A Justiça manteve a prisão preventiva do acusado, detido em flagrante logo após o crime, e que aguardava o julgamento recolhido ao Presídio Estadual de Lajeado.

O fato ocorreu em 16 de março deste ano. Segundo o promotor de Justiça Marcos Eduardo Rauber, o acusado tentou matar a vítima, ex-namorada, com golpes de faca na região da cabeça, rosto, abdômen, braços e mãos, somente não consumando o crime porque a ofendida e pessoas da comunidade que presenciavam os fatos reagiram às agressões, impedindo que as facadas atingissem a vítima de modo imediatamente fatal.

Relembre o caso: Homem é preso por tentativa de feminicídio em Lajeado

Os jurados reconheceram a qualificadora do feminicídio (quando o crime é cometido em razão da condição de sexo feminino em situação de violência doméstica e familiar), mas afastaram, por maioria, as qualificadoras do motivo torpe e do emprego que dificultou a defesa da vítima, atendendo pedido da defesa.

Para o promotor de Justiça, “ao condenarem o réu por tentativa de homicídio qualificado, os jurados demonstraram elevado senso de responsabilidade social e compromisso com a defesa da vida humana, o que é essencial para refrear a criminalidade violenta e manter a ordem e a segurança na comunidade de Lajeado, que vem sendo assolada por uma onda de homicídios dolosos, consumados e tentados, desde o início deste ano, gerando um aumento de aproximadamente 115% em relação aos índices de 2022, segundo dados dos órgãos de segurança pública”.

Acompanhe
nossas
redes sociais