Autoridades alertam para ocorrências de afogamento

PRECAUÇÃO

Autoridades alertam para ocorrências de afogamento

Primeira morte da temporada foi registrada no domingo, 17. Mudanças nos rios e arroios após a enchente exigem cuidados redobrados

Por

Autoridades alertam para ocorrências de afogamento
Vítima se banhava com amigos quando submergiu em cachoeira no interior de Paverama. (Foto: Divulgação)
Vale do Taquari
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

Um homem de 29 anos morreu afogado na tarde de domingo, 17, em uma cachoeira no interior de Paverama. Conforme o Corpo de Bombeiros Militar, por volta das 14h30, a vítima se banhava com amigos no local, próximo à rua Reinaldo Markus, quando submergiu.

Os bombeiros encontraram o homem já sem vida, identificado como Marcos Vinícius Dias Vieira, morador de Paverama. A morte é a primeira da temporada de fim de ano de 2023. O Capitão e comandante da 2ª Companhia do 6º Batalhão de Bombeiros Militares de Lajeado, Thalys Rian Stobbe, alerta que o forte calor provocado pelo El Niño deve aumentar o número de óbitos por afogamento.

“Cerca de 70% desse tipo de morte ocorre em rios, lagos e represas. Ou seja, nossa região tem grandes riscos”, reforça. Outro agravante é a situação dos rios e arroios após a enchente. “O rio está sempre mudando, mas depois das últimas cheias, pode ser que tenha alterado ainda mais. Sem contar que nossa água é barrenta. É preciso revisar os locais, ir com cautela para a água”, afirma Stobbe. A dificuldade de enxergar pedras e buracos eleva a chance de acidentes.

Cuidados e prevenção
Para evitar problemas durante o verão, é importante não fazer brincadeiras que envolvam simulação de afogamento. “Homens morrem seis vezes mais que mulheres, justamente porque fazem mais desses desafios”, acrescenta Stobbe.

No salvamento, a orientação para a pessoa que está fora da água é que localize algum objeto ou boia, amarre uma corda e a lance para a vítima que está se afogando, para puxá-la. Muitos casos e relatos de óbitos duplos ocorrem porque a pessoa não tem preparo e tenta ajudar a vítima que está em pânico.

Cuidados do veraneio

• Evitar brincadeiras como simulações de afogamentos ou forçar a cabeça de um amigo para dentro da água;
• Se informar sobre a correnteza, profundidade, pedras e galhos no local;
• Seguir placas de orientação sobre os perigos dos balneários;
• Usar roupas leves para não ficar preso em obstáculos do rio;
• Ficar próximo da margem se não souber nadar e evite atravessar de uma margem à outra;

• Objetos como boias e brinquedos não devem ser deixados dentro ou na beira da piscina, já que chamam a atenção das crianças e podem ser armadilhas;
• Em qualquer ambiente aquático, crianças não devem entrar sozinhas na água;
• Sempre entre no mar acompanhado de outra pessoa;
• Não nade contra a correnteza caso arrastado. Para escapar, mova-se lateralmente.

Para piscinas

A orientação é sempre ter uma grade de um metro e meio de altura, que impede o acesso à piscina. Outra dica é nunca deixar uma criança pequena sozinha na água. “Não é incomum crianças pequenas se afogarem na presença dos pais, às vezes a menos de um metro de distância”, conta Stobbe.

 

Acompanhe
nossas
redes sociais