Desoneração da folha: “Governo não sabe fazer contas”, diz Lucas Redecker

ENTREVISTA | FRENTE E VERSO

Desoneração da folha: “Governo não sabe fazer contas”, diz Lucas Redecker

Maioria dos parlamentares deve votar pela derrubada do veto de Lula ao benefício tributário, garante deputado federal

Por

Atualizado segunda-feira,
04 de Dezembro de 2023 às 10:50

Desoneração da folha: “Governo não sabe fazer contas”, diz Lucas Redecker
Lucas Redecker, deputado federal (Foto: Divulgação)
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

O deputado federal Lucas Redecker não tem dúvidas sobre a derrubada do veto da desoneração da folha salarial a 17 setores da economia. Entre os afetados estão transportes, calçados e agro. A proposta substitui a contribuição previdenciária de 20% pelo pagamento de 1 a 4,5% sobre a receita bruta.

“Durante toda tramitação da desoneração da folha, tanto na câmara quanto no senado, não houve mobilização do governo. Portanto, aprovamos na câmara com mais de 430 votos e no senado com ampla maioria. Votação simbólica sem voto contrário e o governo não fez nenhuma mobilização contra isso. Aí o presidente Lula veta 17 setores da economia que não só geram emprego, mas muito valor agregado para a economia”, ressalta.

Redecker explica que os setores seriam impactados da seguinte maneira: “Vai se pagar por cada empregado a contribuição patronal. Acarreta que esses setores empregam muita gente, e na soma dos colaboradores, acaba tendo um valor muito mais elevado para as empresas. Mas o grande ponto de tudo isso é que o governo tira a previsibilidade da programação das empresas para o próximo ano. Aquelas empresas que tinham benefício da desoneração da folha de uma hora para outra perdem seu benefício, aumenta o seu custo, vai ter que demitir seus funcionários e passar essa conta para a população na hora da sua compra.”

Ainda de acordo com o deputado federal, o governo não apresenta nenhuma alterativa para resolução. Já o ministro da Fazenda, Fernando Haddad alegou que a proposta é inconstitucional e se comprometeu em apresentar alternativas.

“Na minha avaliação, foi má fé do governo porque deveria dizer quando estava tramitando na câmara que era contrário e apresentar essas alternativas, mas estamos convictos que vamos derrubar o veto pela quantidade de votos que tivemos e pelas frentes que estão envolvidas na derrubada desse veto. Estamos com inúmeras frentes parlamentares que participam, mais de 400 parlamentares na câmara. Então, a tendência é que assim que veto entrar em pauta na sessão do Congresso Nacional, venhamos a derrubar esse veto.”

Atualmente, os setores contemplados pela desoneração são: confecção e vestuário, calçados, construção civil, call center, comunicação, empresas de construção e obras de infraestrutura, couro, fabricação de veículos e carroçarias, máquinas e equipamentos, proteína animal, têxtil, tecnologia da informação, tecnologia de comunicação, projeto de circuitos integrados, transporte metroferroviário de passageiros, transporte rodoviário coletivo e transporte rodoviário de cargas.

Assista a entrevista na íntegra

 

Acompanhe
nossas
redes sociais