“Sejam surfistas do amor”

Renata Agostini

“Sejam surfistas do amor”

Depois de uma intensa semana, a Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 chega ao fim. Foram inúmeros momentos de fé, integração, oração, correria, paciência e tudo o que uma Jornada traz consigo. Mas, de tudo isso, o que fica?

Por

“Sejam surfistas do amor”
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

Depois de uma intensa semana, a Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 chega ao fim. Foram inúmeros momentos de fé, integração, oração, correria, paciência e tudo o que uma Jornada traz consigo. Mas, de tudo isso, o que fica?

Conversei com vários jovens no caminho ao aeroporto e, apesar de todo o cansaço físico, pude perceber a alegria estampada no olhar de cada um. Um sentimento difícil de explicar em palavras, mas transmitido profundamente através dos olhos. Um ar de alegria e gratidão. Alguns descrevem a Jornada como “um encontro entre o céu e a terra”. E de fato é essa a sensação que temos especialmente no sábado e domingo, quando dormimos todos juntos num grande campo à céu aberto e acordamos todos juntos para seguir adorando ao Senhor. Um momento em que todos se desapegam do material, das indiferenças e apenas vivem o presente em harmonia uns com os outros.

E como pode isso? Como pode um acampamento de 1,5 milhão de jovens dar certo? Com certeza, há a presença de Deus neste lugar e no coração de quem ali está. Uma presença que transcende o visível e traz a unidade, tanto pregada na Bíblia. Então, quando vivemos todos nesta mesma sintonia, conseguimos sentir o que pode vir a ser o céu, um lugar de amor mútuo e profundo entre Deus e à humanidade.

A experiência de uma Jornada é transformadora. Faz-nos sair da zona de conforto e ir ao encontro do desconhecido. Constrói pontes entre realidades totalmente diferentes no dia a dia. Cria amizades verdadeiras em tão pouco tempo. Fortalece a fé e a esperança daqueles que, por vezes, andam cansados, tristes ou angustiados. Traz amor, amor e amor. É um colo de Deus, uma benção de Maria, um abraço fraterno, um chamado à missão diária de vivermos esse amor em Cristo. É isso que fica, é isso que levamos diante do todo e de cada experiência individual ali vivida.

O Papa Francisco, mesmo diante de todo o cansaço, nos chama a seguirmos com coragem. “Sejam surfistas do amor”, disse ele no discurso aos voluntários. Um jeito jovem de dizer que estamos todos no mesmo mar, todos a caminho e que devemos permanecer neste mar de amor.

Obrigada. Agradeço imensamente ao grupo A Hora pelo espaço neste período de Jornada e por cada um que esteve comigo nesta aventura! Sejam corajosos, sigam o caminho do amor, surfem nas ondas do amor. E, quem sabe, nos vemos no Jubileu da Jornada em 2025 em Roma, ou na edição seguinte em 2027, na cidade de Seul, na Coreia do Sul. Um abraço!

Acompanhe
nossas
redes sociais