“Fazer tatuagem é lidar com pessoas de várias personalidades e preferências”

ABRE ASPAS

“Fazer tatuagem é lidar com pessoas de várias personalidades e preferências”

Vanderson Oliveira Rodrigues (Wan), 23, é modelo e tatuador natural de Itapuranga (GO). Com trabalhos internacionais, atua em Nova Bréscia. A qualidade de vida e o acolhimento das pessoas da região o atraíram para trabalhar no Vale do Taquari e considera fixar residência

Por

Atualizado sexta-feira,
16 de Junho de 2023 às 16:42

“Fazer tatuagem é lidar com pessoas de várias personalidades e preferências”
Vanderson Oliveira Rodrigues (Wan), 23 (Foto: Divulgação)

Como iniciou a sua história com a moda?

Foi em 2017, com uma empresa de Santa Catarina que fazia seleção de modelos em várias cidades pelo Brasil. Até então, nunca tinha pensado em trabalhar na área, meus amigos me incentivaram a tentar, logo fui classificado para ser apresentado em São Paulo. Lá fui aceito em uma agência, mas era muito longe da minha cidade em Goiás, então não fiz muitos trabalhos. Acabei indo morar em Goiânia, com minha irmã, e lá fui agenciado pela Mega Model. Fiz um curso de passarela e fotografia. Após uns 8 meses, eles conseguiram um contrato para trabalhar fora do Brasil e assim fiquei 11 meses na Índia e Indonésia.
Qual tipo de tatuagem você mais gosta de fazer? E a que menos gosta?
Eu prefiro fazer tatuagens do estilo Blackwork, pretendo me especializar mais em realismo que é um estilo que considero incrível. A que menos gosto de fazer são tatuagens de escritas delicadas (Fineline), são bem comerciais com muita procura. Apesar de não ser um dos meus preferidos, já fiz muitas tatuagens nesse estilo, é uma das minhas especialidades devido à abundância de trabalho e estudo.

Como é normalmente a sua rotina durante a semana?

Durante a semana eu tenho minha agenda de clientes, não costumo tirar dias de folga. No meu tempo livre eu pesquiso sobre tatuagem, vejo muito conteúdo para me aperfeiçoar. Não saio muito, então meu lazer da semana é ir à academia, jogar basquete, temos um time e jogamos todas as semanas. Nos fins de semana eu saio com minha mãe para jantar ou almoçar.

Quais são as maiores dificuldades em ser modelo e tatuador?

A maior dificuldade em ser modelo é que você precisa estar sempre bem mentalmente, pois não é uma área fácil de lidar, há muita inveja e elitismo. Outra dificuldade é ter dinheiro para poder investir em você, às vezes a agência não fornece ajuda, e para quem é de família de baixa renda é complicado. Na tatuagem é lidar com pessoas de várias personalidades e preferências. E para os profissionais com pouca relevância no mercado, não basta entregar um bom resultado, é preciso saber vender sua arte com um bom marketing e conteúdo para as redes sociais.

Quais foram as suas impressões aqui da região? É um estilo de vida muito diferente do qual está acostumado?

Sempre tive vontade de conhecer o RS, acho o sotaque um dos mais legais do Brasil. É muito diferente de onde moro em Goiás, às vezes nem parece que estou no Brasil pela diferença em vegetação, clima e arquitetura. Gostei do frio, mesmo sem estar acostumado. É uma região muito bonita, não descarto morar aqui algum dia. O estilo de vida não é muito diferente, claro que há costumes aqui que não temos, como sentar na frente de casa e tomar chimarrão, que é uma tradição bem legal, ou mesmo as gírias que aqui são populares, muitas palavras eu nunca tinha escutado ou imaginado. Mas essas misturas culturais são uma das riquezas do nosso país.

 

Acompanhe
nossas
redes sociais