7 notícias: Petrobras afirma que não há perspectiva de estabilização no preço dos combustíveis

DESTAQUES DA MANHÃ

7 notícias: Petrobras afirma que não há perspectiva de estabilização no preço dos combustíveis

Confira as notícias que são destaque na manhã deste sábado

Por

Atualizado sábado,
23 de Outubro de 2021 às 07:21

7 notícias: Petrobras afirma que não há perspectiva de estabilização no preço dos combustíveis
Bianca Mallmann/Arquivo
Brasil

O gerente-geral de comercialização da Petrobras, Sandro Barreto, afirmou em comissão da Câmara dos Deputados nesta sexta-feira que não há perspectiva para estabilização dos preços dos combustíveis. Ele explicou que há pressão por conta do aumento de consumo no Hemisfério Norte e aceleração pela melhora dos números da pandemia de Covid-19.

De acordo com Barreto, os países produtores de petróleo vêm aumentando a produção de derivados, mas não há como saber se o ponto de equilíbrio entre oferta e demanda está próximo.

De acordo com ele, a estatal tem preços livres, mas que segue a flutuação internacional, com mercado volátil.


Compass arremata participação na Sulgás

A Compass, do grupo Cosan, comprou a participação de 51% do governo do Estado na Companhia de Gás do Rio Grande do Sul (Sulgás). A distribuidora gaúcha de gás natural canalizado foi vendida por quase R$ 928 milhões – valor mínimo projetado para a comercialização, e, portanto, sem ágio.

A Compass foi a única empresa proponente no certame, que durou cerca de 20 minutos até a batida do martelo.

A Sulgás é a terceira estatal a ser vendida este ano pelo governo de Eduardo Leite, depois dos braços de distribuição e de transmissão do grupo CEEE, a CEEE-D e a CEEE-T.


Governo do RS abre concurso para 53 vagas de analista de planejamento, orçamento e gestão

O governo do Estado lançou, nesta sexta-feira (22), edital de abertura de concurso público para cargos na Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão (SPGG). Ao todo, são 53 vagas para analista de planejamento, orçamento e gestão, sendo seis destinadas a pessoas com deficiência e oito para pessoa negra ou parda. A carga de trabalho é de 40 horas semanais, e a remuneração é de R$ 7.345,12. Para concorrer, é preciso ter Ensino Superior completo em qualquer área.

As inscrições para o certame podem ser feitas até 22 de novembro pelo site da Fundatec, e a taxa de inscrição é de R$ 211,22.


Inflação ao motorista ultrapassa os 18%

Manter um carro no Brasil ficou mais caro. É o que revela um levantamento especial feito pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre-FGV), que mostrou que os preços de itens relacionados à aquisição e manutenção de veículos subiram quase o dobro da inflação geral nos últimos 12 meses.

Para o motorista brasileiro, a inflação chegou a 18,46% nesse período, enquanto o índice global registrou alta de 9,57%, segundo dados do IPC-10 (Índice de Preços ao Consumidor, da FGV). O combustível é o principal vilão para este cenário.

Desde novembro do ano passado, a gasolina subiu 40,46%. Já o etanol pesou ainda mais no bolso dos motoristas, registrando uma alta de 64,45%.

Os condutores que tentaram economizar e optaram por ter um carro a gás, viram o GNV subir 37,11%.


Para evitar paralisação, governo marca reunião com caminhoneiros

O governo federal marcou para a próxima semana uma reunião no Palácio do Planalto com associações que representam os caminhoneiros. O encontro acontecerá na próxima quinta-feira, às vésperas de uma paralisação nacional da categoria, agendada para 1º de novembro.

Participarão do encontro representantes da Secretaria de Governo, da Casa Civil e do Ministério da Infraestrutura. O governo convidou para a audiência a Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet), a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL), a Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores (Abrava)e o Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC).


Ao lado de Guedes, Bolsonaro diz que confia no ministro e que não fará “aventura”

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, realizaram um pronunciamento nesta sexta-feira (22) para explicar as medidas adotadas pelo governo para viabilizar o pagamento do Auxílio Brasil de R$ 400 por família e tentar melhorar o clima no mercado financeiro.

O presidente disse que o valor do Bolsa Família é insuficiente, principalmente em razão da alta do preço dos alimentos nos últimos meses.

Guedes reconheceu uma falha de comunicação da parte do governo com relação às negociações para viabilizar o pagamento. E defendeu a aprovação das PEC dos Precatórios para abrir espaço no caixa para o pagamento de R$ 30 bilhões, impacto previsto com as medidas sociais.


Dólar cai e bolsa reduz perdas após discurso do ministro da Economia

Depois de enfrentar turbulências na maior parte da sessão, o mercado financeiro acalmou-se após o discurso conjunto do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do presidente Jair Bolsonaro. O dólar reverteu a alta e passou a cair, e a bolsa de valores reduziu as perdas. Mesmo assim, a moeda norte-americana teve a pior semana desde julho, e a bolsa registrou a pior semana desde o início da pandemia de covid-19.

O dólar comercial encerrou esta sexta-feira vendido a R$ 5,627, com recuo de R$ 0,04 (-0,71%). No pico da sessão, por volta das 12h30, a cotação chegou a R$ 5,75. O movimento só se inverteu no meio da tarde, após o ministro Paulo Guedes garantir que não pediu demissão e dizer que os gastos públicos deverão cair de 19,5% do Produto Interno Bruto (PIB) para 18,5%, mesmo com o Auxílio Brasil de R$ 400.

Acompanhe
nossas
redes sociais