Mais de 15 mil aguardam 2ª dose

CoronaVac em falta

Mais de 15 mil aguardam 2ª dose

Quem já completou 28 dias depois da aplicação da 1ª dose da Coronavac aguarda a chegada de novas doses do mesmo fabricante. Por outro lado, novo lote da Astrazeneca chega à região nesta terça-feira e possibilita acelerar a imunização do grupo das comorbidades

Por

Mais de 15 mil aguardam 2ª dose
Lote de 31,7 mil doses distribuído nesta terça-feira pelo Estado é suficiente para vacinar menos de 7% dos gaúchos em atraso com 2ª dose (Foto: Divulgação)
Vale do Taquari
Imec - Lateral vertical - Final vertical

Cerca de 15,1 mil pessoas do Vale do Taquari estão no prazo para receber a 2ª dose da Coronavac, de acordo com dados da 16ª Coordenadoria Regional de Saúde. Isso porque elas já completaram o intervalo de 28 dias desde a aplicação da 1ª dose do imunizante. Mas, para isso, elas aguardam a chegada de novos lotes, já que as vacinas deste fabricante estão em falta em todo o estado.

Neste final de semana o Rio Grande do Sul recebeu uma nova remessa de Coronavac: 22,8 mil doses. Esses imunizantes devem ser distribuídos nesta terça-feira, 4, com as 7,2 mil doses enviadas durante a última semana. No total, são 31,7 mil doses do fabricante para serem distribuídas.

Porém a quantidade é suficiente para vacinar menos de 7% dos gaúchos em atraso com a 2ª dose, que já completaram o intervalo de 28 dias, já que no RS o déficit vacinal chega a 464,7 mil pessoas.

Na região, o planejamento nos maiores municípios, quanto à prioridade de aplicação das vacinas, segue uma mesma estratégia: aquelas pessoas que estão mais atrasadas, ou seja, que receberam a 1ª dose há mais tempo, fazem a aplicação da 2ª dose por primeiro.

De acordo com os órgãos de saúde, quem tomou apenas a primeira dose não é considerado imunizado. A primeira dose estimula o sistema imunológico, mas o benefício da proteção só é percebido depois da segunda dose. A imunização é considerada apenas duas semanas após a aplicação da última dose do imunizante. Além disso, as pessoas que passaram do período exato de fazer a segunda dose, devem mesmo assim buscar a imunização de reforço assim que disponíveis.

Ritmo acelerado

Por outro lado, a chegada de uma nova remessa de vacinas Astrazeneca possibilita acelerar o processo de imunização das pessoas com comorbidades, além de terminar a vacinação dos idosos. Nesta terça-feira, 4, o Estado distribui 458,6 mil doses do imunizante fabricado na Fiocruz. Estas serão todas aplicadas na primeira dose do grupo das comorbidades.

Esse lote, aliado à remessa recebida na última quinta-feira, 29, quando foram distribuídas 308 mil doses, possibilitam a ampliação da imunização de comorbidades para a fase 2 do grupo: gestantes e puérperas maiores de 18 anos, independente de condições pré-existentes; pessoas com comorbidades de 40 a 53 anos; e pessoas de 40 a 54 anos com deficiência permanente cadastradas no Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Vacinas da Pfizer

O estado também recebeu 32,7 mil doses da Pfizer/Biontech. Elas serão distribuídas apenas em Porto Alegre e também serão utilizadas para avançar a imunização do grupo das comorbidades. O imunizante será utilizado apenas na capital por questões de logística e conservação.

A Comirnaty (nome comercial da vacina) precisa ser mantida congelada a uma temperatura de -80°C e tem validade de seis meses. Para transporte, será distribuída em caixa com gelo seco, onde pode ficar armazenada por até 30 dias. Ainda pode ser mantida por até 14 dias a -20ºC e no máximo cinco dias refrigerada entre 2°C e 8°C, no momento em que já se encontrar nos postos de saúde. Quando for levada às geladeiras comuns ou refrigeradores, não poderão ser congeladas novamente.

Para o esquema vacinal completo, serão necessárias duas doses com um intervalo de 21 dias ou mais.
Ministro promete vacinar 100% da população em 2021

O Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que toda a população brasileira pode ser vacinada em 2021. “Estamos muito entusiasmados com a perspectiva de vacinar toda a nossa população até o final do ano. Isso é plausível”, disse Queiroga durante evento na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), nesta segunda-feira, 3.

O ministro ressaltou que a prioridade do governo será a vacinação contra a covid-19 ainda em 2021 de todos os brasileiros. Foram contratadas até o momento mais de 530 milhões de doses de imunizantes, de diferentes fabricantes. De acordo com Queiroga, o Executivo busca ampliar a vacinação, mas enfrenta a falta de doses que afeta todo o mundo.