Vale registra terceira morte por leptospirose

SAÚDE

Vale registra terceira morte por leptospirose

Último caso foi de um homem de 63 anos, morador de Encantado. Óbitos também foram confirmados em Travesseiro e Venâncio Aires

Por

Vale registra terceira morte por leptospirose
Ao todo, são 15 casos confirmados de leptospirose na região, além de 131 suspeitos. (Foto: divulgação)
Vale do Taquari
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

A 16ª Coordenadoria Regional de Saúde (CRS) e o Ministério da Saúde confirmam o terceiro óbito por leptospirose na região. O caso é de um homem de 63 anos, morador de Encantado. Travesseiro e Venâncio Aires já haviam registrado mortes pela doença.

De acordo com a especialista em saúde da vigilância epidemiológica da 16ª CRS, Susane Schossler Fick, o caso de Encantado foi avaliado junto ao Ministério da Saúde, já que não foi encaminhada amostra ao Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) pelo Hospital Beneficente Santa Terezinha, onde o paciente foi atendido no município.

Ao todo, são 15 casos confirmados de leptospirose na região, além de 131 suspeitos. O maior número de pacientes se concentra em Travesseiro, com quatro casos confirmados.

Em todo o estado, foram 13 mortes confirmadas e há ainda outras sete em investigação. No RS, foram notificados 3.658 casos da doença, sendo 242 deles confirmados.

A maioria das vítimas são homens entre 30 e 69 anos. Os sintomas são semelhantes a de outras doenças como gripe, febre amarela, dengue, malária, hantavirose e hepatites. O paciente pode apresentar febre, dor de cabeça, e dores pelo corpo, em especial, nas panturrilhas.

De acordo com a Fiocruz, cerca de 10% do casos podem evoluir para a forma grave da doença, com o aparecimento de pele amarelada na pele e nas mucosas, sangramento no nariz, gengivas e pulmões, e comprometimentos dos rins. Os primeiros sintomas podem aparecer de dois a 30 dias depois da contaminação.

Transmissão

A doença é transmitida através do contato com a água ou lama de enchentes contaminadas com urina de animais portadores, sobretudo, ratos. A penetração da Leptospira no corpo, através da pele, é facilitada pela presença de algum ferimento ou arranhão. Ainda, pode ser transmitida por ingestão de água ou alimentos contaminados.

Para prevenir a doença

  • Evitar o contato com água ou lama que possam estar contaminados pela urina de rato;
  • Pessoas que trabalham na limpeza de lama, entulhos e desentupimento de esgoto devem utilizar luvas e botas de borracha;
  • Guardar alimentos em recipientes bem vedados;
  • Evitar acumular alimentos ou lixos que possam atrair animais.

Sintomas

  • Diarreia;
  • Dores nas articulações;
  • Vermelhidão ou hemorragia conjuntival;
  • Dor ocular;
  • Tosse;
  • Em alguns casos, pode ocorrer o aumento do fígado ou baço, e aumento de linfonodos.

Acompanhe
nossas
redes sociais