Gabinete de crise espera mais participação em diagnóstico

NEGÓCIOS IMPACTADOS

Gabinete de crise espera mais participação em diagnóstico

Formulário aponta 2,1 mil negócios prejudicados na região. Participação aquém do esperado dificulta entendimento sobre impacto da inundação de maio

Por

Gabinete de crise espera mais participação em diagnóstico
No estado, mais de 15 mil empresas preencheram o relatório elaborado pelo Sebrae, a partir do movimento Juntos pelo RS. No Vale do Taquari, pouco mais de 2,1 empreendedores participaram do levantamento até ontem. (Foto: FILIPE FALEIRO)
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

O trabalho para identificar o total de negócios prejudicados pela inundação, feito a partir do gabinete de crise de apoio ao empreendedor, tem enfrentado dificuldades na aproximação com os empresários.

O modelo de formulário surgido após a inundação de setembro do ano passado hoje é usado como referência para todo o RS. Elaborado a partir da parceria entre Secretaria Estadual de Desenvolvimento, Sebrae e associações comerciais, o estudo visa dar um apanhado geral sobre as condições das empresas gaúchas.

No ano passado, foram mais de 1,2 mil respostas. Naquela ocasião, o Vale do Taquari foi a região mais prejudicada. Um total de nove municípios tiveram registros de perdas.

Na catástrofe de maio, com 475 municípios afetados e 78 ainda em situação de calamidade pública, o cenário de destruição pressupõe mais impacto sobre o setor produtivo. No entanto, a participação nos relatórios está aquém do esperado.

Conforme relatório prévio, apresentado em reunião na manhã de ontem com integrantes das federações empresariais ao governo do Estado, 2.115 empresários do Vale responderam ao questionário.

Nas associações da região, duas hipóteses são levantadas para explicar essa baixa participação. Parte da própria condição de danos, pois a limpeza dos estabelecimentos que resistiram a força da água tem sido difícil, inclusive atrasada pelo repique da enchente, na metade de maio.

A outra possibilidade diz respeito à descrença com a relevância do diagnóstico. Em setembro passado, além do relatório digital, gabinetes itinerantes foram em cada uma das cidades. Os empresários foram nos locais dos encontros, responderam o questionário e o retorno em termos de política pública foram insuficientes.

“Temos de entender que esse diagnóstico ajuda na cobrança sobre os governos”, diz o presidente da Câmara da Indústria e Comércio da região (CIC-VT), Angelo Fontana.

No sábado, 1º de junho, o representante das empresas da região esteve com o governador Eduardo Leite. O foco da discussão girou em torno da proposta de dedicar um mês inteiro à reconstrução: avaliar o desempenho do governo estadual diante das recentes enchentes e, mais elaborar medidas concretas, urgentes e imediatas para acelerar a recuperação do RS.

A demanda do Vale se sustenta em quatro pilares. A ampliação dos prazos de endividamentos; auxílio financeiro com taxas de juros reduzidas; carência de 24 a 36 meses para acesso a crédito; e a existência de um fundo garantidor para os contratos com prazos de 5 até 7 anos.

Perdas de até R$ 174 bilhões

Consultoria à serviço da Federasul aponta que o prejuízo geral no Rio Grande do Sul vai de R$ 110 bilhões até R$ 174 bilhões. “Esse estudo contabiliza todas as perdas, nas estradas, nas pontes, nos imóveis, na movimentação econômica, nas empresas, na geração de renda. Isso mostra o tamanho do desafio para recolocar o Estado onde estávamos antes da inundação”, afirma o vice-presidente jurídico da federação, Milton Terra Machado.

O levantamento embasa os pedidos de intervenção aos setores públicos por parte da representação empresarial. “O governo federal contabiliza um apoio de R$ 60 bilhões. Mas é importante ver. Não é dinheiro novo. Não é recurso na conta das pessoas, do Estado ou dos municípios. São antecipações, isenção de impostos”, destaca o jurista.

Diagnóstico prévio

Até ontem, 3 de junho, o número de respostas no Vale do Taquari (os dados se referem a participação. Ainda sem o detalhamento de quantas atingidas ou quanto de prejuízo):

  • Lajeado: 298
  • Encantado: 341
  • Arroio do Meio: 298
  • Ilópolis: 109
  • Roca Sales: 239
  • Estrela: 184
  • Muçum: 142
  • Taquari: 57
  • Putinga: 70
  • Anta Gorda: 24
  • Arvorezinha: 22
  • Teutônia: 23
  • Cruzeiro do Sul: 144
  • Relvado: 18
  • Imigrante: 14
  • Marques de Souza: 21
  • Nova Bréscia: 10
  • Colinas: 15
  • Bom Retiro do Sul: 26
  • Sério: 5
  • Westfália: 7
  • Travesseiro: 8
  • Capitão: 3
  • Dois Lajeados: 3
  • Doutor Ricardo: 5
  • Santa Clara do Sul: 4
  • Progresso: 4
  • Forquetinha: 9
  • Boqueirão do Leão: 2
  • Fazenda Vilanova: 2
  • Paverama: 2
  • Coqueiro Baixo: 1
  • Pouso Novo: 1
  • Tabaí: 1
  • Canudos do Vale: 3

Acompanhe
nossas
redes sociais