“A vulnerabilidade não pode nos tornar passivos”

abre aspas

“A vulnerabilidade não pode nos tornar passivos”

Diane Cristina Sordi, 39, nasceu em Lajeado, reside em Colinas e possui uma estreita relação de voluntariado em toda a região. Ela é engenheira de Segurança do Trabalho e, no inicio de maio, a Defesa Civil a acionou para atuar no Comitê de Crise de enfrentamento à enchente, em Lajeado. Dentro do Centro de Doações, no Bairro Campestre, ela orienta as distribuições. Relata que os volutários do Vale do Taquari são ágeis e conectados. E acredita na potência da solidariedade, mas enfatiza que Vale é uma região predisposta a desastres, porém essa vulnerabilidade não pode tornar a população passiva

Por

“A vulnerabilidade não pode nos tornar passivos”
Foto: Andreia Rabaiolli
Vale do Taquari

Em quantas enchentes ou desastres atuou aqui no Vale do Taquari?

Há 15 anos sou voluntária na família Rotária Lajeado Integração e desde setembro de 2023, atuo à Defesa Civil Estadual. Antes da enchente do ano passado, fazia ações pontuais junto ao Rotary Club de Lajeado Integração.

Em setembro, com o ingresso na Defesa Civil, tive a experiência de atuar no Centro de Distribuição Logística do Vale do Taquari. Agora em maio, fui acionada para auxiliar no Comitê de Crise instalado em Lajeado, com resgates. Neste momento, faço parte do Centro de Distribuição Logístico instalado no bairro Campestre.

Qual sua motivação para se tornar voluntária?

O “privilégio” de estar no papel de ajudar e não na situação de ser ajudada é motivo suficiente para me colocar à disposição. Cresci em uma família envolvida com a comunidade e com o voluntariado, e para mim, o cuidar é algo natural e instintivo.

Como você vê o voluntariado na região?

Nossa região dá exemplo de proatividade e articulação no voluntariado. Temos grupos de voluntariados que se mantiveram ativos desde a enchente de setembro de 2023 e no fim de abril desde ano,já estavam mobilizados para o trabalho. Somos ágeis, conectados, engajados e somos uma verdadeira potência! O Vale do Taquari tem predisposições naturais a catástrofes, mas também tem predisposição natural para a transformação, e essa transformação passa pelas mãos, mentes e corações dos voluntários.

O que essa enchente te ensinou?

A vulnerabilidade se mostra de diferentes formas, todos estamos vulneráveis de alguma forma, mas a vulnerabilidade não pode nos tornar passivos.

Qual a importância do centro que você está coordenando?

O Centro de Distribuição logístico de Lajeado recebe doações do país inteiro e distribui, de forma coordenada para todo o Vale do Taquari. Nesse CD não enxergamos preferências individuais e de grupos. Nosso trabalho é atender as necessidades de toda a população do vale, sem distinções e preferências.

Qual a sua mensagem para os dias difíceis?

Dias difíceis também passam! De alguma forma fomos escolhidos para mostrar que ainda podemos ter esperança na humanidade e não podemos desperdiçar essa oportunidade de nos tornarmos seres melhores.

Acompanhe
nossas
redes sociais