Instalação de divisórias deve atender 200 famílias em abrigos de Estrela

PÓS CHEIA

Instalação de divisórias deve atender 200 famílias em abrigos de Estrela

O objetivo é garantir mais privacidade às pessoas que estão abrigadas desde o início de maio

Por

Instalação de divisórias deve atender 200 famílias em abrigos de Estrela
Foto: EZEQUIEL NEITZKE
Estrela
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

Com cerca de 200 famílias abrigadas em seis ginásios em Estrela, o governo municipal confirma a instalação de divisórias nos espaços. O objetivo é garantir mais privacidade às pessoas que estão abrigadas desde o início de maio devido à cheia histórica que atingiu o Vale do Taquari. Milhares de pessoas tiveram as residências destruídas no município em decorrência da tragédia.

A instalação das divisórias deve iniciar nos próximos dias e avançar até o mês de junho. Com seis abrigos abertos e registro de pessoas que já deixaram os espaços, a Secretaria de Assistência Social e Habitação (Sedeh) concluiu o levantamento de famílias em cada local. A secretária Renata Cherini explica a necessidade de entender o contexto famivialiar dos abrigados para avançar com a iniciativa.

“Neste momento, temos dados suficientes para saber quantas pessoas cada família têm e proceder com a colocação. São núcleos familiares com mais de cinco pessoas, assim como uniparentais”, esclarece a secretária. Além disso, Renata aponta a importância de ter atenção aos vínculos entre as pessoas que residem nos abrigos.

Para auxiliar no entendimento de como funcionam as divisórias, o município recebe uma equipe de assistência social de Blumenau, Santa Catarina. O município também passou por catástrofe semelhante em 2008, quando registrou a destruição de mais de 2 mil residências em decorrência de deslizamentos e precisou manter parte da população abrigada.

Soluções em habitação

De acordo com levantamento da prefeitura de Estrela, são mais de 2 mil residências destruídas ou danifi cadas. O prefeito Elmar Schneider aponta prejuízo de mais de R$ 1 bilhão. Diante da situação, ele diz que nenhuma família fi cará sem moradia e enquanto isso não acontecer, ficarão abrigados nos espaços cedidos pela prefeitura.

O governo municipal trabalha em projetos para construção de novas unidades habitacionais. O plano mais
avançado foi aprovado no início do ano com o objetivo de sanar os déficits ocasionados pelas cheias de 2023. São 100 residências por meio do programa Minha Casa Minha Vida Calamidade.

Para viabilizar a construção, o município adquiriu um terreno no valor de R$ 600 mil no bairro Nova Morada. Outro projeto entregue pela Sedeh é de 400 unidades habitacionais via Poder Público. Além disso, o governo municipal avalia possibilidades de parcerias público-privadas. “Vamos reconstruir casas e oferecer moradias”, afirma Renata.

Outro avanço é a aprovação de um projeto de lei que autoriza a prefeitura a receber, em doação, áreas de terras com mais cinco hectares para viabilizar a construção de novas moradias. A iniciativa facilita planos de habitação junto ao governo federal.

Famílias por abrigo

  • São José Operário: 40 famílias
  • Cristo Rei: 68 famílias
  • Linha São José: 18 famílias
  • Boa União: 49 famílias
  • Pinheiros: 8 famílias
  • Novo Paraíso: 19 famílias

Acompanhe
nossas
redes sociais