A agenda não é só dos governos

Opinião

Rodrigo Martini

Rodrigo Martini

Jornalista

Coluna aborda os bastidores da política regional e discussão de temas polêmicos

A agenda não é só dos governos

Por

Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

O governo estadual, o governo federal e muitos governos municipais falham e vão falhar diante de catástrofes naturais. Ora por ineficiência, ora por despreparo, e ora por “culpa” única da mãe natureza. E é fundamental cobrar melhorias contínuas e eficientes. Mas é preciso cuidado na hora de apontar culpados. E mais cuidado ao interpretar posicionamentos e respostas aos fenômenos climáticos que, só nos últimos oito meses, mataram mais de duzentos gaúchos. Não é hora de lacrar, de politizar, e tampouco de se alimentar com manchetes salientes, maliciosas e distorcidas. Acima de tudo, é preciso uma reflexão interna por parte de cada gaúcho e gaúcha atingidos ou não pelas enchentes e deslizamentos de terra que assolaram o Rio Grande do Sul.

Afinal, qual é a sua parcela de culpa? O que você não fez – ou deixou de fazer e cobrar– nos últimos tempos com relação a esta “nova agenda” que hoje percebemos tão fundamental na ordem do dia? E o principal: o que posso fazer a partir de hoje para melhorar o duvidoso amanhã? Eu já iniciei a minha penitência. E você?

Divisórias nos abrigos

O governo de Estrela vai iniciar a instalação de divisórias nos abrigos municipais, para garantir um mínimo de privacidade às famílias mais impactadas pelas enchentes de 2024. Um movimento necessário e que precisa fazer parte de todos os planos municipais e regionais de contingência. Não podemos seguir fazendo o que sempre fizemos. É preciso avançar. Para o futuro aliás, é preciso pensar mais na segurança e dignidade das mulheres, idosos e crianças, especialmente.

Governador, o TRE e as eleições

Em entrevista publicada ontem, no jornal O Globo, o governador Eduardo Leite (PSDB) afirmou que a discussão sobre um eventual adiamento das eleições municipais de outubro no Estado “é pertinente”. Para ele, as possíveis trocas de governos municipais – e os embates eleitorais que precedem o dia do pleito – em meio ao período de reconstrução dos municípios gaúchos podem atrapalhar o processo que ainda estará “em momentos incipientes”. É bom lembrar. Em julho já se estabelecem as convenções. É preciso decidir logo. Sobre isso, aliás, a presidente do Tribunal Regional Eleitoral do RS, Vanderlei Teresinha Tremeia Kubiak, concedeu entrevista para a Rádio A Hora, ontem. Além de reclamar as milhares de urnas perdidas na enchente, ela também deixou em aberto o futuro das eleições. “Adiamento é uma questão a ser debatida”.

“Não existe concorrência em momento de catástrofe”

Diretor da Construtora Diamond, Sidnei Schmidt trouxe uma injeção de ânimo durante sua participação no programa A Hora Bom dia, ontem. Além de reforçar a necessidade de seguir investindo em toda a região do Vale do Taquari, o empresário também reforça a necessidade de união em um momento de caos. “Não existe concorrência em momento de tragédia.” O simbolismo desta frase tem uma importância crucial neste momento de solidariedade, reação e reconstrução.

Kniphoff sugere cotas nas placas

A ideia é simples e eficientemente necessária. Vereador e pré-candidato a prefeito de Lajeado, Sérgio Kniphoff (PT) sugere uma mudança visual nas placas de identificação de ruas na principal cidade do Vale do Taquari. Além do nome da via, e do CEP, ele propõe incluir informações sobre as cotas de inundação em determinadas regiões do município, com destaque às áreas de risco e inundáveis. De novo. É um movimento descomplicado e fundamental para a educação de uma sociedade que precisa, cada vez mais, aprender a conviver de forma sustentável com as enchentes.

“Ponte antes do Natal”

Deputado estadual reeleito, Juvir Costella é hoje o Secretário de Logística e Infraestrutura do Rio Grande do Sul. E passa pelas mãos dele uma série de problemas gerados pelas recentes catástrofes naturais. Entrevistei o agente político no sábado passado, durante a visita do governador Eduardo Leite (PSDB) ao Vale do Taquari. Questionado sobre os debates acalorados com prefeitos da região alta, ele demonstrou compreensão e pediu paciência. E sobre a nova ponte da ERS-130, orçada em R$ 14 milhões e tão necessária para reconectar Lajeado e Arroio do Meio – e sobremaneira a região alta do Vale –, ele foi enfático. “Fica pronta antes do Natal”. O edital foi publicado ontem pela Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR). Aguardemos!

TIRO CURTO

  • O governo de Estrela projeta a reconstrução da Escola Municipal Leo Joas, cuja sede foi destruída no bairro das Indústrias. A ideia é construir um prédio novo naquela mesma localidade.
  • Também em Estrela, a municipalidade celebra a rápida manutenção e reação de 80% das 100 maiores empresas da cidade, e demonstra otimismo com as demais. Além disso, empreendedores anunciam a antecipação de empreendimentos programados para o segundo semestre.
  • Em Cruzeiro do Sul, a Associação Comercial e Industrial (Acics) convida os associados, o poder público e demais interessados para uma “reunião com o comércio”. O encontro será nesta quinta-feira, às 18h30min, no Restaurante Dona Laura.
  • Ex-prefeito de Taquari, ex-presidente da Famurs, e agora ex-secretário institucional da Secom, Maneco Hassen (PT) assumiu como Secretário Executivo do recém-criado Ministério da Reconstrução do Rio Grande do Sul, chefiado por Paulo Pimenta (PT).
  • Em tempo, a energia elétrica ainda não retornou para dezenas de famílias do Vale do Taquari. É para essas comunidades que os órgãos responsáveis precisam focar a atenção. É cruel o que se percebe em algumas comunidades.

Acompanhe
nossas
redes sociais