Dália Alimentos retoma atividades na próxima segunda-feira

PÓS-CHEIA

Dália Alimentos retoma atividades na próxima segunda-feira

Exceção da queijaria e a fábrica de Nata, no bairro Aimoré, que permanecem com os serviços supensos

Por

Dália Alimentos retoma atividades na próxima segunda-feira
Presidente do Conselho de Administração da Dália Alimentos, Gilberto Piccinini. (Foto: Diogo Fedrizzi).
Vale do Taquari

A Dália Alimentos foi mais uma vez atingida pelas enchentes que assolam o Vale do Taquari. Parte das atividades retomam na segunda-feira, 20, com exceção da queijaria e a fábrica de Nata, no bairro Aimoré, em Arroio do Meio. 

Conforme o presidente do Conselho de Administração da Dália Alimentos, Gilberto Piccinini, a energia voltou na quarta-feira à noite, por meio de uma linha especial de Encantado o que garantiu o ajuste e as plantas retornam a operar. O frigorífico de suínos, mesmo com a perda dos equipamentos, também retornará atividades na segunda.  

“A empresa vem numa recuperação importante apesar de não ter tido atenção aos financiamentos referentes às tragédias anteriores, mas nunca desistimos e continuamos trabalhando, buscando resultados e vinha muito bem neste ano. Primeiro, não temos condições de dimensionar o tamanho dos prejuízos. A nossa prioridade não é calcular os prejuízos industriais, esses são pequenos diante dos prejuízos do sistema integrado que é de difícil medição, o que virá com o tempo.”

Para Piccinini, o grande desafio para a economia da região é a mobilidade dos funcionários, caminhões que possam ir e vir. “Se fez uma solução paliativa na ERS-130 sobre o rio Forqueta. Ali precisa de forma urgente trabalhar a ideia de o exército viabilizar uma ponte que passem automóveis e vans para ter mobilidade nas empresas que ligam Lajeado, Arroio do Meio, Encantado. Tem a pinguela, mas é limitada.”

Piccinini reforça sobre a necessidade de manutenção e melhorias permanentes na ERS 129 no trecho Roca Sales-Colinas, além da ERS-130, vias importantes que ligam cidades, empresas, a economia do Vale e é um dos gargalos para ser resolvido. Outro ponto importante é a rodovia Guaporé – Encantado. 

“Precisamos colocar acessos, tornar viável o transporte de insumos para ter a matéria prima para as indústrias, bem como acessos para os funcionários e empresários para que consigam tocar seus negócios”. 

Sobre as cheias 

O presidente do conselho administrativo descreve essa enchente uma das piores e que mexeu fortemente com o produtor de leite, frangos, suínos e as indústrias. “A água alcançou em locais onde jamais se pensava que pudesse chegar”. 

Conforme ele, 2020 foi um ano marcante para todos, a pandemia, onde se tinha as incertezas sobre a questão sanitária no mundo. “Parece que a década começou cheia de surpresas difíceis e pesadas de carregar. Apesar disso, para a Dália, econômica e financeiramente foi muito bom, pois começamos a exportar e ver os preços dos alimentos, principalmente na exportação, preços muito firmes o que garantiram bons resultados”.  

No ano seguinte, o descolamento dos custos de produção que foi a disparada nos preços em função da pandemia e o que começou a melhor a partir do segundo semestre do ano passado. Depois, em setembro, veio a enchente considerada, na época, a maior da história e em novembro outra atrasando ainda mais a recuperação. “E essa de agora, que completou a situação difícil que muitas empresas vinham arrastando desde o ano passado. Mas vamos reconstruir e superar mais uma vez.”

Acompanhe a entrevista na íntegra

Acompanhe
nossas
redes sociais