Vacinação tenta conter contágios e internações por gripe

saúde

Vacinação tenta conter contágios e internações por gripe

Há pelo menos quatro vírus em circulação. Em Lajeado, há três pessoas internadas na UTI do Hospital Bruno Born por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)

Por

Atualizado terça-feira,
26 de Março de 2024 às 11:04

Vacinação tenta conter contágios e internações por gripe
Vale recebeu mais de 14 mil doses no primeiro lote. (Foto: Filipe Faleiro) Aplicação é destinada para os grupos prioritários, idosos, doentes crônicos e crianças
Lajeado

A campanha de vacinação contra a gripe começou mais cedo. Tudo por conta do alto índice de contaminação no RS. Conforme a Vigilância Epidemiológica do Estado, o número de internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) está quase oito vezes maior do que no mesmo período do ano passado.

O fato reforça o alerta da Secretaria Estadual da Saúde (SES) da importância para que a população dos grupos prioritários se vacinem. No Vale do Taquari, há pelo menos quatro vírus respiratórios em circulação.

“Eu faço a vacina todos os anos. É sempre melhor prevenir. Nunca precisei ser internado. Quando tenho uma gripe, sinto que é mais fraca”, diz o aposentado Ingo Schreiner, 83, morador do bairro Hidráulica, em Lajeado. Ele foi logo pela manhã fazer a vacina contra a gripe, no posto de saúde do Centro. “Assim que ouvi que foi liberada, eu já me organizei para vir.”

Pelo mapeamento, foram constatados o Vírus Sincicial Respiratório (causador das bronquiolites, mais agressivo nas crianças), a covid, influenza A e B. No Hospital Bruno Born (HBB), maior da região, em março foram notificados 29 pacientes com SRAG. Destes, três estão na UTI.

A 16ª Coordenadoria Regional de Saúde (CRS) elabora um relatório com os números de 37 municípios da região. Os dados estão sendo tabulados e devem ser apresentados ainda nesta semana.

Pela estratégia estadual, a campanha costuma iniciar em abril. Pelo risco de contaminação elevado, a vacinação começou ontem. A SES orienta os municípios a fazerem a aplicação assim que receberem as doses. No primeiro lote, o RS recebeu cerca de 480 mil imunizantes.

Hospitalizações no RS

Em 2023, no mesmo período, foram 17 registros de SRAG que levaram à internação. De janeiro a março, o número foi de 135 casos. Da mesma forma, houve mais óbitos. Em 2024, sete confirmados ante três do ano passado.

De acordo com a técnica do Núcleo de Doenças Respiratórias do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), esse cenário epidemiológico preocupa e foi determinante para antecipar a vacinação. “É fundamental atingirmos a cobertura vacinal para reduzir essa tendência de aumento de hospitalizações e óbitos”, frisa.

A meta do Estado é imunizar 90% dos grupos prioritários (crianças, gestantes, puérperas, pessoas com mais de 60 anos e povos indígenas).

Saiba mais

  • A influenza é uma infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório, altamente transmissível e pode variar de casos leves a graves, podendo levar à morte.
  • Os tipos A e B são responsáveis por epidemias sazonais, enquanto o tipo A está associado a pandemias, como a de 2009 por H1N1.
  • As vacinas usadas na campanha nacional pelo SUS são trivalentes, contendo os tipos A (H1N1), A (H3N2) e B do vírus influenza.
  • O esquema vacinal é em dose única, exceto para crianças menores de nove anos que nunca foram vacinadas, que precisam de duas doses com intervalo de 30 dias entre elas.
  • A vacina contra influenza pode ser administrada junto com outras vacinas do Calendário Nacional de Vacinação, como a vacina contra a covid-19.

Vacinação no Vale

Até o momento, a 16ª CRS recebeu 14.360 doses na semana passada, com previsão de recebimento de mais 16,7 mil. A estimativa populacional de pessoas imunizadas nos 37 municípios da área de atuação da coordenadoria, alcança 144,4 mil pessoas.

Grupos prioritários

Os grupos prioritários
para a campanha de vacinação contra a gripe:

  • Crianças até seis anos
  • Idosos
  • Gestantes
  • Puérperas
  • Trabalhadores da saúde
  • Povos indígenas
  • Professores
  • Portadores de doenças crônicas

Acompanhe
nossas
redes sociais