No acolhimento, uma forma de reabilitar pessoas ao convívio familiar

vulnerabilidade

No acolhimento, uma forma de reabilitar pessoas ao convívio familiar

Trabalho da Saidan, entidade com sete décadas de trajetória, é destacado por assistente social e coordenadora de serviço, em participação no programa “Nossos Filhos”

Por

No acolhimento, uma forma de reabilitar pessoas ao convívio familiar
Espaço se transformou em um serviço de acolhimento para qualquer situação de vulnerabilidade. (Foto: ARQUIVO A HORA)
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

Com 70 anos de atuação, a Associação de Assistência à Infância e à Adolescência (Saidan) promove acolhimento de crianças e adolescentes entre 0 e 18 anos, que tiveram sua integridade física ou emocional ameaçada e seus direitos desatendidos ou violados. O trabalho da entidade, sediada no bairro Santo Antônio, foi apresentado durante “Nossos Filhos”, programa multiplataforma do Grupo A Hora.

A assistente social Eroni de Melo Mess, explica que o processo se inicia através do Conselho Tutelar, que recebe a denúncia e verifica o fundamento. Caso o juizado da Infância e da Juventude acolha essa queixa, a vítima é encaminhada para a casa de acolhimento. Ela compara o acolhimento a uma UTI hospitalar. “Quando não há mais o que fazer, esgotaram-se todas as possibilidades de acordo com a família, a criança é encaminhada para lá”, pontua.

A coordenadora do serviço de acolhimento da Saidan, Rosana Christ Zagonel, cita que a intenção não é que a criança fique na casa até atingir a maioridade, mas sim que ela consiga voltar para o convívio familiar.

“Em conjunto com a rede de apoio, é trabalhado com a família nuclear (pai e mãe) e com a família extensa (parentes sanguíneos), para que as crianças possam voltar ao lar”, afirma. Entretanto, em alguns casos, quando não há mais a família nuclear e a extensiva não tem interesse em manter a convivência, acontece o encaminhamento para a adoção.

Associação atende crianças e adolescentes de 0 a 18 anos

Com a configuração da casa de acolhimento semelhante à de uma família biológica, há regras e normas para o pleno funcionamento que respeitam a necessidade única de cada criança. Rosana reforça, que na casa junto aos serviços de apoio e as mães sociais, é feito um trabalho para que elas saiam bem e com capacidade de readequação a nova realidade, principalmente quando é observado pela gestão que o adolescente está próximo a alcançar a maioridade e é necessário sair da casa.

Atividades com as crianças

Sobre atividades recreativas realizadas com as crianças, elas dizem que elas gostam muito e que pessoas com boas intenções são sempre bem-vindas. Eroni menciona que estas também precisam de doação de amor e carinho e complementa que, ao trabalhar na instituição, sua visão mudou. “Eu trabalhei no Conselho Tutelar e via as casas de acolhimento de uma maneira. No momento em que entrei lá dentro para trabalhar, mudei minha perspectiva”

O apresentador João Paulo Weiand recorda que, quando teve contato com os acolhidos, foi uma experiência fascinante “Trabalhar lá e sentir o calor deles, o abraço, o carinho, foi uma experiência maravilhosa. Eles te dão afeto, mesmo que precisem receber afeto”. Rosana acrescenta: “Apesar da experiência de vida, eles possuem um jeito muito amoroso.”

Doações

A assistente social e a coordenadora comentam que, mesmo que a Saidan receba apoio financeiro do governo municipal e federal para manter o funcionamento da casa, doações são sempre bem recebidas.

Entretanto, em razão de receberem o mesmo item repetidas vezes, Eroni pede que, antes de doarem liguem para a instituição e perguntem o que é necessário e relembra. “Uma vez recebemos tanto do mesmo produto que entramos em contato com outras casas para realizarmos trocas”. Complementa dizendo que, além de alimentos, doações de itens de higiene e materiais escolares também são importantes.

Há a possibilidade de se associar a Saidan, contribuindo para o pagamento de despesas da entidade por meio de mensalidade e auxiliando nas decisões gerais da instituição. Quem tiver interesse em se associar ou contribuir com doações, pode entrar em contato através das redes sociais da instituição, pelo telefone (51) 3714-1119 ou e-mails saidan.secretaria@outlook.com e saidan.financeiro@outlook.com, para a retirada de dúvidas.

Acompanhe
nossas
redes sociais