Região ajusta detalhes para cobrar melhorias da CCR ViaSul

política e cidadania

Região ajusta detalhes para cobrar melhorias da CCR ViaSul

Principal exigência é a retomada da duplicação da BR-386 e término da obra ainda em 2024. Conselho também prepara dossiê com análises sobre mudanças nos projetos originais de intervenções em pontes, acessos e retornos

Por

Região ajusta detalhes para cobrar melhorias da CCR ViaSul
A obra foi interrompida faz quase um mês. Segundo a CCR ViaSul, expectativa é para retomada dos trabalhos até a metade de abril. (Foto: Filipe Faleiro)
Vale do Taquari
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

A primeira reunião de análise do contrato após cinco anos de concessão ocorre na manhã de hoje, a partir das 10h, na sede da CCR ViaSul, em Porto Alegre. Com a duplicação do primeiro trecho, de Marques de Souza a Lajeado, e a ampliação da pista até Estrela, incompletas, a postura dos líderes locais é por uma cobrança efetiva pelo cumprimento das metas previstas.

O Vale do Taquari tem dois representantes na comissão tripartite. O presidente da Câmara da Indústria e do Comércio (CIC-VT), Ivandro Rosa, indicado pelo Conselho Regional de Desenvolvimento (Codevat), e o prefeito de Estrela, Elmar Schneider, em nome da Associação dos Municípios (Amvat).

Há propostas já protocoladas e outras que serão entregues no encontro. “Nossa principal cobrança é para reiniciar a obra e terminar o quanto antes”, diz Ivandro Rosa. A Associação Comercial e Industrial de Lajeado (Acil), a CIC e a administração do município, formaram um grupo de trabalho com engenheiros, arquitetos e usuários.

Em cima disso, se estabeleceram alguns pontos de dúvida sobre as intervenções na área urbana de Lajeado. Por orientação do grupo, o documento foi mantido em sigilo para a reunião. Sobre ela, também é fechada para a imprensa. Participam dirigentes da CCR ViaSul, do escritório regional da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), e do conselho de usuários de todas as concessões de rodovias federais. São mais de 50 municípios das regiões do Litoral, Norte, Vales e Metropolitana.

A CCR Viasul venceu o leilão para gerir as BRs 386, 101, 290 e 448 em novembro de 2018. O contrato faz parte do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), e a empresa terá que investir mais de R$ 7,8 bilhões em 30 anos de concessão.

Impasse

Na manhã de ontem, os funcionários da Eurovias foram chamados para assinar o aviso prévio. Alguns receberam o salário de fevereiro e a rescisão. A empresa não informa quantos acertos foram efetivados e quantos da equipe ainda não receberam.

Desde a semana passada, o grupo de operários cobra a terceirizada e a CCR ViaSul para o pagamento dos vencimentos, horas adicionais, vale-alimentação e ajuda de custo.

O acordo entre a concessionária e a terceirizada contratada para as obras de infraestrutura na rodovia foi encerrado na quarta-feira da semana passada. Com isso, a CCR ViaSul faz uma análise da situação das obras interrompidas enquanto negocia com a futura empresa para assumir tanto a duplicação quanto a ampliação até Estrela.

Expectativa

Com os acertos encaminhados com os trabalhadores, há menos uma barreira para o negócio com a futura empresa. Pela legislação, não se pode retomar a obra em área pública caso haja pendências.

Uma das expectativas é que o nome da futura responsável seja anunciado na reunião de hoje. Em contato com o prefeito de Lajeado, Marcelo Caumo, o diretor-presidente do Grupo CCR no Brasil, Eduardo Camargo, garantiu que a obra será retomada até a segunda semana de abril.

Nos bastidores, algumas empresas aparecem na lista de possíveis contratadas. Entre os trabalhadores da obra, os comentários apontam para a Novonor, que tem como subsidiária a Odebrecht e o grupo chinês Power China.

O consórcio, que assumiu o segundo trecho de duplicação, de Fontoura Xavier até Soledade, é apontada como a principal opção pelo fato de já ter máquinas e equipamentos mais próximos para instalar os canteiros de obras.

Propostas protocoladas

LAJEADO

Elevação do nível da rua Bento Rosa
Motivo: Dois metros a mais de cota resulta em uma redução de 40% nas interrupções do fluxo devido às enchentes.

ESTRELA

Passagem de nível entre os bairros Imigrantes e Pinheiros
Motivo: Moradores do Pinheiros precisam fazer todo o retorno pela Av. Rio Branco, imediações da rodoviária, para chegar no centro de Estrela.

MARQUES DE SOUZA

Asfalto de vias laterias
Motivo: Em Linha Perau, as vias paralelas são de chão batido. Em dias de chuva, dificulta o acesso à rodovia.

Rótula em Linha Perau
Motivo: Localidade precisa se deslocar até o acesso principal para retornar.

Passarela em Picada Flor
Motivo: Rodovia divide moradias do salão social da comunidade e do campo de futebol.

Paradas de ônibus
Motivo: Uma sequência de abrigos foi retirado das imediações da rodovia. Pontos são usados por estudantes da rede municipal para embarque e desembarque do transporte escolar.

Trevo principal
Motivo: Acesso a área central não foi incluído no projeto original da duplicação.

Acompanhe
nossas
redes sociais