RS decreta situação de emergência devido à dengue

saúde pública

RS decreta situação de emergência devido à dengue

Governador Eduardo Leite assinou decreto nesta terça-feira, 12. Texto encaminhado à Casa Civil, estará no Diário Oficial de quarta-feira, 13

Por

Atualizado terça-feira,
12 de Março de 2024 às 20:08

RS decreta situação de emergência devido à dengue
Foto: divulgação
Estado

Com 20 óbitos confirmados no Estado, o governador Eduardo Leite declarou nesta terça-feira, 12, situação de emergência em saúde pública no Rio Grande do Sul. A medida, de acordo com o decreto nº 57.498, visa a prevenção, controle e atenção à saúde diante do risco epidemiológico à população pela epidemia de doença, atualmente presente em 94% dos municípios gaúchos.

Com a declaração de estado de emergência, o governo estadual poderá destinar recursos para combater a dengue com mais agilidade, sem os trâmite demorados e burocráticos de uma licitação, por exemplo. O decreto permite um processo ágil e célere na compra de insumos, como medicamentos e vacinas, entre outros, facilitando o enfrentamento da dengue. Também facilita que o governo federal destine ao Estado recursos específicos para ações de combate à dengue.

A medida se soma a uma série de ações do Governo do Estado, através da Secretaria da Saúde, nos últimos dias para o controle da doença. Na segunda-feira, 11, foi lançada uma plataforma para o manejo clínico de casos, permitindo a identificação do estado de saúde e tratamento de cada paciente através de características, sinais e sintomas. Também foi assinada uma nota técnica conjunta com o Conselho Regional de Enfermagem (Coren), que autoriza profissionais de enfermagem a requisitarem exames, principalmente hemogramas, nos casos suspeitos.

A Secretaria da Saúde reforça a importância de que a população procure atendimento médico nos serviços de saúde logo nos primeiros sintomas. Dessa forma, evita-se o agravamento da doença e a possível evolução para óbito.

Principais sintomas: 

  • Febre alta (39°C a 40°C), com duração de dois a sete dias
  • Dor retro-orbital (atrás dos olhos)
  • Dor de cabeça
  • Dor no corpo
  • Dor nas articulações
  • Mal-estar geral
  • Náusea
  • Vômito
  • Diarreia
  • Manchas vermelhas na pele, com ou sem coceira.

Medidas de prevenção à proliferação e circulação do Aedes, com a limpeza e revisão das áreas interna e externa das residências ou apartamentos e eliminação dos objetos com água parada são ações que impedem o mosquito de nascer, cortando o ciclo de vida na fase aquática.

 O uso de repelente também é recomendado para maior proteção individual contra o Aedes aegypti.

Acompanhe
nossas
redes sociais