Morte por dengue em Lajeado intensifica alerta sobre a doença

Vida e ambiente

Morte por dengue em Lajeado intensifica alerta sobre a doença

Região contabiliza pelo menos 78 casos confirmados desde o início do ano

Por

Atualizado terça-feira,
27 de Fevereiro de 2024 às 07:49

Morte por dengue em Lajeado intensifica alerta sobre a doença
Entre as ações para combater a doença, está a aplicação de inseticida pela cidade, como ocorre em Lajeado. (Foto: Caetano Pretto)
Lajeado
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

O primeiro óbito por dengue da região no ano foi notificado em Lajeado. Esta é também a sétima morte pela doença no estado. A Vigilância Epidemiológica confirma 13 casos positivos para a dengue na cidade desde janeiro, 138 em investigação e 124 já descartados. Na região, são pelo menos 78 pacientes positivos.

O morador de Lajeado era um homem de 76 anos. Ele percebeu sintomas como febre, mialgia e calafrios em 7 de fevereiro. No dia 10, o quadro piorou. Ele procurou atendimento na UPA e foi transferido para o hospital no dia 12. O falecimento foi registrado no dia 21.

Coordenadora da Vigilância Epidemiológica de Lajeado, Juliana Demarchi destaca que, em relação aos anos anteriores, o que chama a atenção é a antecipação dos casos confirmados. Antes, as primeiras confirmações ocorriam a partir da segunda quinzena de fevereiro e, neste ano, começaram cerca de 40 dias antes.

Juliana afirma que, por critérios definidos pelo Ministério da Saúde, os municípios do Rio Grande do Sul não recebem a vacina contra a dengue em 2024. Assim, a vacinação ainda segue disponível apenas na rede privada.

A profissional ainda reforça que, conforme o último Levantamento Rápido de Índices de Infestação, foi identificada uma maior presença do mosquito Aedes aegypti nos bairros Campestre e São Cristóvão. O bairro com o maior número de casos positivos para a doença é o Igrejinha, com um total de 3 casos.

“Além das chuvas e do calor, existem diversos fatores que influenciam a proliferação do mosquito, como urbanização inadequada, crescimento populacional e as migrações de pessoas, que transportam de forma passiva os vetores nas suas várias fases de vida”, afirma.

Combate

O Vale volta a se preocupar com um possível avanço da dengue. Dois anos após ter sido o epicentro da doença no RS, a região começa a intensificar medidas para conter a onda de contaminações.

Entre as ações desenvolvidas, está a aplicação de inseticidas nos bairros de cidades como Lajeado. Essa estratégia reduz os mosquitos adultos, mas não é suficiente para acabar com o problema, já que não elimina os ovos, as larvas e as pupas. É essencial que a remoção de recipientes que possam acumular água parada também seja feita pela comunidade.

Encantado será contemplado com a instalação de um laboratório para análise de larvas do mosquito transmissor da dengue, que atenderá toda a região alta.

Alerta

Em Teutônia, foram registradas 58 notificações, sendo sete casos positivos. Os bairros com a confirmação de moradores com a doença são Canabarro (4), Languiru (1), Alesgut (1) e Teutônia (1).

Outros 55 casos foram confirmados em Estrela desde o início do ano. O bairro Cristo Rei lidera as notificações, com 25 casos positivos. Foram ainda nove no Moinhos, sete em Imigrantes, quatro no Boa União, três no Centro, dois no Indústrias, dois no interior e um no Auxiliadora.

Cidade com mais casos confirmados em 2024, Estrela busca fortalecer o trabalho de conscientização da população para eliminação dos criadouros.

Confirmações na região

Teutônia
Casos confirmados: 7
Casos negativos: 17
Aguardam resultado: 12
Suspeitos sem coleta: 10
De outros municípios: 12

Estrela
Casos confirmados: 55

Arroio do Meio
Sem casos confirmados

Taquari
Sem casos confirmados

Lajeado
Casos confirmados: 13
Em análise: 138
Descartados: 124
Óbitos: 1

Encantado
Sem casos confirmados

Mato Leitão
Casos confirmados: 2

Ilópolis, Muçum, Nova Bréscia, Pouso Novo, Teutônia, Westfália
Casos confirmados: 1

Acompanhe
nossas
redes sociais