Protetores de animais cobram ações contra o abandono em bairros de Arroio do Meio

MAUS-TRATOS

Protetores de animais cobram ações contra o abandono em bairros de Arroio do Meio

Assunto foi tema de audiências em 2023, mas pouco se avançou na criação de uma nova legislação

Por

Protetores de animais cobram ações contra o abandono em bairros de Arroio do Meio
Na última semana, moradores denunciaram casos de maus-tratos (Foto: Divulgação)
Arroio do Meio
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

A cobrança por políticas públicas e legislações sobre o abandono de animais é antiga em Arroio do Meio, assim como a preocupação com o abandono e superlotação de canis. No ano passado o tema ganhou destaque após a realização de audiência pública na câmara de vereadores. Um anteprojeto de lei foi apresentado mas não evoluiu devido aos apontamentos jurídicos.

Foto: Divulgação

A matéria logo após a apresentação foi considerada inconstitucional devido às despesas orçamentárias.
Moradora do bairro Bela Vista, Marciane Cristina Rempel, é protetora independente há mais de 20 anos e foi uma das fundadoras da Associação de Proteção de Animais (Apaam). Ela enfatiza a necessidade urgente de uma legislação nesse sentido. Ela destaca a importância de soluções para o problema de abandono, maus-tratos, censo animal e um programa de adoção com castração social. A medida é vista como uma maneira de controlar a superlotação do canil administrado pela Apaam.

Segundo ele, somente neste ano foram denunciadas ao poder público situações em diferentes bairros como o Navegantes e loteamento Glória, mas poucas ações foram tomadas. “Já realizei protocolos, denúncias em todas as esferas, mas esse assunto é deixado de lado em nossa cidade”, desabafa.

Uma das ações mais recentes, no projeto apresentado na câmara de vereadores sugeria a criação de um fundo destinado ao bem-estar animal, com recursos próprios dentro do orçamento municipal, vinculados ao Departamento Municipal do Meio Ambiente. Esse fundo seria utilizado para adquirir remédios, alimentação, financiar castrações, cirurgias e programas de conscientização sobre a causa animal.

O anteprojeto original também sugere a obtenção de recursos através de multas aplicadas em casos de maus-tratos a animais domésticos, doações de pessoas físicas ou jurídicas e contribuições adicionais.

Dificuldades na fiscalização

O coordenador do Departamento de Meio Ambiente, Paulo Régis Rheinheimer Júnior, afirma que denúncias chegam até o departamento quase diariamente. Uma das principais dificuldades enfrentadas pelo órgão é a fiscalização de casos de maus tratos.

Em todos os casos o fiscal ambiental do município confere in loco as denúncias. Se constatado os maus tratos aos animais, uma veterinária é acionada para atestar o fato. Já em outros casos é feita a notificação ao proprietário em casos mais graves Em alguns casos, a Brigada Militar é acionada e as situações são encaminhadas para esferas penais e criminais, com instauração de ações civis públicas.

Alguns casos na cidade estão sob jurisdição de outros órgãos de justiça e penalidade, como o Ministério Público e Polícia Civil.

Limitação de animais 

Em 2021, na câmara de vereadores uma proposta para limitar o número de animais de estimação foi apresentada, porém após a repercussão negativa a matéria foi retirada. O objetivo inicial foi de Vanderlei Majolo e Alessandra Brod, ambos do PP. Naquele ano a alegação era de que muitos moradores reclamavam do barulho e da perturbação causada pelos animais de estimação.

Acompanhe
nossas
redes sociais