Rateio do ICMS deve gerar R$ 390 milhões à região

política e cidadania

Rateio do ICMS deve gerar R$ 390 milhões à região

IPM definitivo aponta para alta na arrecadação com o retorno do imposto ao Vale. Lajeado se aproxima das 20 maiores economias em Valor Adicionado. Bom Retiro do Sul confirma maior variação positiva na comparação com 2023

Por

Rateio do ICMS deve gerar R$ 390 milhões à região
Bom Retiro do Sul registrou maior variação da região no Índice de Participação dos Municípios. (Foto: Arquivo A Hora)
Vale do Taquari
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

Divulgado pela Secretaria da Fazenda do RS semana passada, o Índice de Participação de Municípios (IPM) definitivo aponta para uma arrecadação de R$ 390 milhões no somatório das 38 cidades da região para 2024. O número corresponde ao cálculo feito com base nos percentuais publicados no Diário Oficial do Estado.

Calculado pela Receita Estadual, o índice mostra como o Estado vai repartir cerca de R$ 8,5 bilhões entre as 497 prefeituras gaúchas, volume correspondente a 25% da receita de ICMS prevista para o próximo ano. O percentual leva em consideração as deduções estabelecidas pela Constituição Federal, como o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).

Esta é a primeira vez em que parte dos recursos serão distribuídos conforme critérios educacionais. A medida foi implementada após aprovação na Assembleia Legislativa. A repartição do ICMS é uma das receitas mais importantes para os municípios, pois representa, em média, 20% do total de arrecadação de boa parte dos executivos.

No RS, pela primeira vez Porto Alegre deixa de ter o maior índice de participação. A capital gaúcha foi ultrapassada pela vizinha Canoas, que será a cidade com mais recursos a receber em retorno de ICMS. Entre as dez maiores, há outras quatro cidades da região metropolitana, enquanto Caxias do Sul, Rio Grande, Passo Fundo e Santa Cruz do Sul fecham a lista como as principais do interior.

Desempenho regional

Lajeado permanece com o maior IPM do Vale e subiu posições no ranking estadual. Passou de 25º para 22º, ficando a duas posições de se colocar entre as 20 maiores economias do RS. Conforme cálculo feito pela reportagem, a expectativa é que o município arrecade pouco mais de R$ 60 milhões em retorno de ICMS.

Já o município que teve a maior variação positiva foi Bom Retiro do Sul. O resultado final do IPM confirma o que fora anunciado em agosto, quando a Receita Estadual divulgou os índices provisórios. A alta de 18,4% empolga os gestores do município, que esperam manter o patamar para 2025.

Por outro lado, Poço das Antas teve o pior resultado da região, com uma queda de –16,8%. O município foi severamente impactado neste ano com a crise do setor de proteína animal e o encerramento das operações do frigorífico da Cooperativa Languiru. Outras cinco cidades da região registraram queda na arrecadação com ICMS.

Critérios considerados

A composição do IPM em 2024 será de acordo com os critérios determinados por lei estadual. A participação do Valor Adicionado Fiscal (VAF) diminuiu de 75% para 65%, e o rateio da Cota-Parte da Educação (PRE) passa a corresponder por 10% do rateio. O VAF é calculado pela diferença entre as saídas (vendas) e as entradas (compras) de mercadorias e serviços em todas as empresas localizadas no município.

Já o critério educacional é composto pelo Índice Municipal da Qualidade da Educação do RS (Imers), pela população do município, pelo nível socioeconômico dos educandos e pelo número de matrículas no ensino fundamental da rede municipal. Para o critério da população, foram utilizados os dados do censo do IBGE, executado ano passado.

10 maiores economias do RS*

  • Canoas
  • Porto Alegre
  • Caxias do Sul
  • Gravataí
  • Guaíba
  • Rio Grande
  • Passo Fundo
  • São Leopoldo
  • Santa Cruz do Sul
  • Novo Hamburgo

(*) Conforme o critério de Valor Adicionado Fiscal (VAF)

 

Acompanhe
nossas
redes sociais