Projeto cooperativa escolar desenvolve habilidades em educação financeira

ENTREVISTA | O VALE EM PAUTA

Projeto cooperativa escolar desenvolve habilidades em educação financeira

Projeto proposto pela Sicredi desenvolve o interesse por empreender

Por

Projeto cooperativa escolar desenvolve habilidades em educação financeira
Michele Wickert, diretora da Emef, e Felipe Kuhn, professor de Ciências e apoiador do projeto (Foto: Rodrigo Gallas)

A Emef Frei Henrique de Coimbra, de Nova Santa Clara, em Santa Clara do Sul, possui 112 alunos, do 3º ao 9º ano. Destes, 23 participam do projeto cooperativa escolar que é uma associação de estudantes com finalidade educativa.

De acordo com a diretora da Emef, Michele Wickert, o convite partiu da Sicredi no início do ano. “Almejamos aos nosso alunos a oportunidade de criarem espaços para o próprio protagonismo deles e a proposta nos ofereceu justamente isso”, descreve.

O professor de Ciências e apoiador do projeto, Felipe Kuhn diz que a escola participa de dois projetos vinculados ao Sicredi, com alunos do 6º ao 9º ano. “Os alunos se encontram uma vez na semana, no turno oposto da aula, na própria escola para poder fazer as formações, obter o aprendizado necessário para desenvolver o projeto. Propomos aos alunos para quem quisesse participar que se inscrevesse. Tivemos uma grande adesão no início. Devido à cooperativa ser escolar, após formados no 9º ano, eles não podem mais participar”, explica Kuhn.

Além disso, Kuhn detalha que no primeiro ano foi um aprendizado geral de organização, de materiais, de documentações. “Fizeram diversos trabalhos de como criar estatutos, escrever e redigir documentos, criar logos, dentre outros. Após o primeiro ano, vão começar a desenvolver objeto de aprendizado para que possam comercializar, ter o lucro da cooperativa que é a partir desse valor, desenvolver os projetos que escolheram dentro do seu estatuto. Parte de formação no primeiro ano e a partir do próximo, uma formação mais financeira com livro caixa, lucros e vão desenvolver e aprender a administrar”.

Os alunos que passam para a segunda fase do projeto serão multiplicadores das experiências adquiridas neste ano para os alunos que ingressam no projeto em 2024. “Uma oportunidade de mostrarem o que aprenderam para os novos colegas”.

Além da Emef de Nova Santa Clara, mais duas criaram a cooperativa escolar, uma escola em Lajeado e outra em Forquetinha. “Ver teu aluno tomar decisões, formar opiniões, buscar alternativas, isso é muito gratificante, é um desenvolvimento diário”, finaliza Michele.

Acompanhe
nossas
redes sociais