PRF busca solução sobre sede temporária até a próxima semana

NO CAMINHO DA DUPLICAÇÃO

PRF busca solução sobre sede temporária até a próxima semana

Prédio atual será demolido para permitir avanço da duplicação da 386. Com apoio de agentes políticos, cúpula regional da instituição busca manutenção da unidade operacional no município mais populoso da região, sem necessidade de deslocamento. Maior incidência de acidentes graves no trecho justifica permanência

Por

Atualizado domingo,
13 de Agosto de 2023 às 15:53

PRF busca solução sobre sede temporária até a próxima semana
Imóvel da PRF precisa ser demolido para avanço da duplicação. Nova sede será erguida a quatro quilômetros, perto do acesso a Forquetinha (Foto: Felipe Neitzke)
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

Na iminência de ganhar uma nova sede em Lajeado, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) vive um dilema sobre o atendimento temporário enquanto as obras do futuro espaço são executadas. A mobilização de líderes locais em defesa da permanência na cidade ganhou força nos últimos dias e uma decisão definitiva deve sair na próxima semana.

A opção da instituição, de levar a unidade operacional provisoriamente para o posto desativado de Tabaí, pegou a comunidade regional de surpresa. E o envolvimento dos agentes políticos para evitar o deslocamento mostra a importância da continuidade das atividades no perímetro lajeadense da BR-386, o mais movimentado da rodovia e um dos campeões em acidentes.

Inaugurada há três décadas, a 4ª Delegacia da PRF situa-se próximo à entrada do bairro Conventos. Em virtude do avanço da duplicação da 386, o prédio deve ser demolido. Em entrevista à Rádio A Hora nesta semana, o superintendente Anderson Nunes descartou a permanência no imóvel até a conclusão da futura sede.

“A duplicação passará em frente ao posto, na distância de um metro. No local, será aberta uma valeta com profundidade de três metros, o que afeta a segurança dos funcionários. O ambiente seria insalubre. A estrutura do posto da PRF pode desmoronar”. Além disso, afirmou que a continuidade do posto atrapalha o avanço das obras e o próximo trânsito na rodovia.

Foto: Felipe Neitzke

Possíveis imóveis

Pelo menos quatro imóveis foram sugeridos à cúpula da PRF para a continuidade da unidade operacional em Lajeado. Dois deles ficam bem próximos à sede atual, do outro lado da rodovia. O mais adequado, em uma avaliação prévia, pertence a uma empresa autodemolidora de veículos. Outras duas possibilidades seriam mais próximos à ponte do Rio Taquari, no trecho já duplicado.

Governo de Lajeado e câmara de vereadores uniram esforços para viabilizar a permanência. Uma das possibilidades seria do município custear a reforma e adaptação do imóvel, enquanto a CCR ViaSul – que executa a reforma o posto de Tabaí – fique responsável pelo aluguel do prédio.

Engenheiro da prefeitura e vereador, Isidoro Fornari Neto (PP) destaca que o município “corre contra o tempo”, mas quem vai decidir o que fazer será a própria PRF. “Eles vão dizer se é viável ou não a instalação provisória. Nós não temos o poder de definir onde será”, pondera.

Fornari lembra que, primeiro, será analisada a viabilidade de instalação. “Não tem como dizer o que vai ser feito sem saber se o imóvel serve ou não. Se sim, aí se define um caminho. Mas precisamos pensar em uma alternativa. Nós queremos que continue em Lajeado”.

A vereadora e presidente da câmara, Paula Thomas (PSDB) acompanhou as visitas ocorridas na manhã dessa sexta-feira, 11. Segundo ela, alguns imóveis tendem a ser descartados “de cara” em função das dificuldades de acessos. “E em alguns desses locais, a obra de duplicação ainda passa bem na frente. Então teria até que se negociar com a CCR. São muitas coisas acontecendo”, frisa.

Pouco tempo

Imóveis para possível locação foram visitados nessa sexta. Ideia é bater martelo até o começo da semana (Foto: Divulgação)

Carine Martins integra o efetivo da Polícia Rodoviária Federal há 11 anos. Primeira mulher a assumir a chefia da 4ª DPRF, tenta, junto com os agentes públicos de Lajeado, uma opção viável para abrigar os quase 50 agentes da instituição sem que haja a necessidade de deslocamento para Tabaí.

A inspetora-chefe da delegacia entende que é possível a manutenção da unidade operacional em Lajeado. Por isso, a análise dos imóveis ofertados deve se estender pelo fim de semana. “O Ministério Público Federal nos pediu para dar um retorno até terça-feira. Então precisamos definir o quanto antes”, pontua.

Com base nas informações repassadas dos imóveis, o setor de Inteligência fará um relatório sobre o que é necessário para oferecer um espaço adequado aos policiais. “Mesmo que seja temporário, precisamos de segurança. Até por que devemos ficar até um ano nesse imóvel. Com base nesse relatório, vamos tomar uma decisão”.

O projeto executivo da nova sede da PRF deve ficar pronto somente em novembro, conforme informações da CCR ViaSul. O documento precisa de aval da Agência Nacional dos Transportes Terrestres (ANTT) antes do início das obras, que só deve ocorrer em dezembro. O prédio será erguido do lado direito da rodovia, sentido capital/interior, próximo ao acesso a Forquetinha.

Ocorrências

Tão logo foi anunciada a mudança temporária da UOP para Tabaí, a Associação Lajeadense de Policiais Rodoviários Federais (ALPRF) emitiu nota contra a saída de Lajeado. Uma das justificativas é a demora para deslocamento em caso de acidentes nos trechos considerados mais perigosos da BR-386.

O comparativo do primeiro semestre dos últimos três anos mostra pouca variação em relação às mortes no trecho que vai desde Victor Graeff até Nova Santa Rita. Foram 16 em 2021, contra 18 no ano passado e 17 neste ano. Já em relação a acidentes graves, 2023 foi mais violento do que os anos anteriores, com 59.

A maior incidência de acidentes graves neste ano está no trecho de entre Marques de Souza e Lajeado.

Também aparecem alguns picos nas imediações de Fontoura Xavier, nas proximidades de Fazenda Vilanova e Tabaí e, ainda, na chegada na região metropolitana, em Nova Santa Rita.

“A média tem sido a mesma dos últimos anos, mas o pico é aqui mesmo nesse entorno de Lajeado. E este ano, em junho, tivemos uma disparada por conta daquele período de muita chuva”, lembra Carine. Em geral, boa parte desses acidentes graves envolvem motocicletas.

Foto: Felipe Neitzke

O QUE PREVÊ A NOVA SEDE

– Unidade Operacional (UOP) com 305,23 metros quadrados;
– Delegacia da PRF com 148,53 metros quadrados;
– Cobertura da área de fiscalização na frente da UOP;
– Estacionamento interno;
– Área de carga e descarga ao lado da UOP;
– Viário de acesso;
– Passeio de pedestres;
– Vagas de estacionamento para usuários na área externa;
– Acessibilidade nos acessos, Delegacia e áreas públicas da UOP;
– Área de fiscalização
na pista sul;
– Fechamento das edificações e estacionamento interno com muro e portões com concertina;
– Instalação de caixa d’água, fossa séptica com filtro anaeróbico e sumidouros;
– Torre de comunicação;
– Sistema de energia;
– Iluminação externa de acessos e pistas.

Grandes operações

Imóveis para possível locação foram visitados nessa sexta. Ideia é bater martelo até o começo da semana (Foto: Divulgação)

2021
• Apreensão recorde de quase seis toneladas de maconha na BR-386, no mês de janeiro, em Fontoura Xavier. A droga estava escondida em meio a uma carga de 30 toneladas de milho, que seria descarregada em Arroio do Meio.

• PRF calcula em mais de R$ 500 mil o lote de vinhos finos argentinos importados ilegalmente, que foram apreendidos em Lajeado. Mercadoria ilícita estava em um caminhão-baú com placas de Santa Catarina. Mais de 2 mil garrafas de várias marcas e sem nota fiscal foram encontradas no veículo.

2022
• Maior apreensão da história do RS de skunk. Foram 75 quilos apreendidos desta droga, em pleno feriado de 7 de setembro, durante operação de enfrentamento à criminalidade. Um homem foi preso na ocasião.

• Cerca de 300 mil maços de cigarros paraguaios são apreendidos no dia 21 de setembro. Motorista transportava milho, mas as caixas estavam em um compartilhamento de carga. Entrega seria em Caxias
do Sul.

2023
• Em 6 de junho, PRF fez escolta de um veículo de emergência de Passo Fundo, que transportava bebê recém-nascido. Ele precisava chegar, com urgência, ao Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Equipe abriu caminho para que ambulância chegasse o mais rápido e com maior segurança possível.

Acompanhe
nossas
redes sociais